richard h thaler 20171010Contabilidade Mental

10/10/2017 — O norte-americano Richard H. Thaler, de 72 anos, ganhou o Prêmio Nobel de Economia 2017 por ter desenvolvido a teoria da contabilidade mental, explicando como as pessoas simplificam a tomada de decisões financeiras. O economista incorporou pressupostos psicológicos realistas em análises de tomada de decisão econômica. Ao explorar as consequências da racionalidade limitada, das preferências sociais e da falta de autocontrole, mostrou como esses traços humanos afetam sistematicamente as decisões individuais, bem como os resultados do mercado financeiro. O comitê do Nobel de Economia disse que Thaler foi o pioneiro na aplicação da psicologia comportamental, em que compras são feitas com a rejeição, às vezes, da própria racionalidade.

nobel de economia moeda1Nobel De Economia
NOME OFICIAL: Prêmio do Banco da Suécia Para as Ciências Econômicas em Memória de Alfred Nobel. Foi instituído em 1968 pelo Sveriges Riksbank, o Banco Central da Suécia, e atribuído pela primeira vez em 1969. Embora não seja um prêmio original da Fundação Nobel, o processo de indicação, os critérios de escolha e a apresentação da decisão são conduzidos de maneira similar à dos prêmios originais. Até 2017, foram distribuídas 79 láureas. No primeiríssimo lugar, estão os economistas dos Estados Unidos, com 49 prêmios (62% do total). Em segundo lugar, aparece o Reino Unido, com oito troféus. A medalha de bronze é da Noruega, com três. Não há vencedores na América do Sul. Entre os outros países, destaca-se a Índia, vencedora em 1998.

Os Últimos Laureados
2017 RICHARD THALER (Estados Unidos)
2016 BENGT HOLMSTROM (Finlândia)
2016 OLIVER HART (Reino Unido
2015 ANGUS DEATON (Estados Unidos)
2014 JEAN TIROLE (França)
2013 EUGENE FAMA (Estados Unidos)
2013 LARS PETER HANSEN (Estados Unidos)
2013 ROBERT SHILLER (Estados Unidos)
2012 ALVIN ROTH (Estados Unidos
2012 LLOYD SHAPLEY (Estados Unidos)
2011 CHRISTOPHER SIMS (Estados Unidos)
2011 THOMAS SARGENT (Estados Unidos)

nobel de economia1Nobel De Economia 2016
10/10/2016 — Oliver Hart, de 68 anos, e Bengt Holmström, de 67, venceram o Prêmio Nobel de Economia 2016. O primeiro é britânico e professor da Universidade de Harvard, Estados Unidos. O segundo é finlandês e professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, também nos Estados Unidos. O Nobel de Economia vale aos vencedores oito milhões de coroas suecas, o equivalente a R$ 3.028.000,00. De acordo com o comunicado da academia sueca, “as novas ferramentas teóricas criadas pelo Hart e pelo Holmstroem são valiosas para a compreensão dos contratos e instituições da vida real, bem como armadilhas potenciais no projeto de contrato”.

OLIVER SIMON D´ARCY HART nasceu no dia 09 de outubro de 1948, na cidade de Londres, Inglaterra, Reino Unido. Graduou-se em matemática na Universidade de Cambridge em 1969. Em 1972, obteve o mestrado em economia na Universidade de Warwick, da sua cidade natal. Em 1974, foi para os Estados Unidos, obtendo o doutorado na Universidade de Princeton, em Nova Jersey. De volta ao seu país, tornou-se professor na Escola de Economia de Londres. Em 1984, voltou para os Estados Unidos para dar aulas no Instituto de Tecnologia de Massachusets. Em 1993, transferiu-se para a Universidade de Harvard. Escreveu o livro “Empresas, contratos e Estrutura Financeira”, publicado pela Universidade de Oxford em 1995.

BENGT ROBERT HOLMSTROM nasceu no dia 18 de abril de 1949, na cidade de Helsinke, capital da Finlândia. Graduou-se em matemática na universidade da sua cidade natal. Em 1975, obteve a licenciatura na Universidade de Stanford, Estados Unidos, onde também obteve o doutorado em 1975. Em 1994, foi contratado para dar aulas no Instituto de Tecnologia de Massachusetes, nos Estados Unidos, no qual desenvolveu o seu principal trabalho: a teoria geral dos contratos. Até 2012, pertenceu ao conselho de administração da Nokia, uma empresa do seu país, gigante mundial da tecnologia de comunicações. Escreveu vários artigos e trabalhos na área da economia.


 

 


© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados