Indústria
automobilistica2

10/01/2020 — A produção industrial no Brasil recuou 1,2% em novembro na comparação com outubro, quebrando a sequência de altas dos três meses anteriores. É o pior novembro desde 2015, quando a indústria caiu 1,9%, de acordo com a Pesquisa Industrial Mensal feita pelo IBGE. De janeiro a novembro, o índice acumulou queda de 1,1%. Em doze meses, recuou 1,3%. Das 26 ategorias pesquisadas, 16 apresentaram queda na produção. Uma das principais influências negativas foi o segmento de veículos automotores, reboques e carrocerias (-4,4%). Entretanto, na avaliação dos técnicos, é comum que a produção de automóveis seja elevada nos meses de setembro e outubro e reduza no final do ano, por causa das férias coletivas.

Outra produção que teve forte influência na queda foi a de produtos alimentícios (-3,3%), eliminando quase toda a expansão verificada no mês anterior (3,6%). O crescimento anterior vinha sendo alavancado pelo aumento nas exportações de carne e da produção de açúcar. A carne continua em expansão, mas o açúcar tem uma volatilidade maior, tanto por causa das condições climáticas quanto em função da demanda por etanol. A indústria extrativa também teve queda expressiva (-1,7%), acumulando recuo de 4,6% em três meses consecutivos. Outras contribuições negativas relevantes vieram de outros produtos químicos (-1,5%), de máquinas e equipamentos (-1,6%), de manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-5,7%), de celulose, papel e produtos de papel (-1,8%), de produtos de minerais não-metálicos (-1,8%) e de metalurgia (-1,1%).

Emprego
10/01/2020 — A indústria é um dos setores mais importantes para a criação de empregos com carteira assinada. Mas, em novembro de 2019, o setor fechou 24.815 postos de trabalho. O saldo é resultado das 177.584 admissões no confronto com as 202.399 demissões registradas no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados da Secretaria Nacional do Trabalho. O sub-setor que mais contratou em novembro foi a indústria metalúrgica, com 1.575 novas vagas. Pelo lado negativo, destaque para a indústria química e de produtos farmacêuticos, com o fechamento de 7.140 vagas. No acumulado do ano, a indústria, de modo geral, registra saldo positivo de 43.986 vagas, crescimento de 10,7% em relação ao primeiros onze meses de 2018, saldo de 39.722 vagas.


 

 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados