Imprimir
Categoria: Setores Econômicos
Acessos: 5234

servicos educacionais2Emprego

26/03/2019 — O Brasil criou 173.139 empregos com carteira assinada em fevereiro, segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgados pela Secretaria Nacional do Trabalho. É o melhor desempenho para o mês desde 2014, quando foram abertas 260.823 vagas formais. Esse resultado é a diferença entre as contratações e as demissões registradas no CAGED. No comparativo com fevereiro de 2018, quando o saldo ficou em 61.188 vagas, houve acréscimo de 182,9%. No acumulado de janeiro e fevereiro, são 207.452 novos postos de trabalho. No mesmo período do ano passado foram 139.010 novas vagas. A diferença de 68.442 vagas representa um aumento de 49,2%. Dos oito setores pesquisados, apena o da agropecuária registrou fechamento de vagas em fevereiro.

Serviços
27/03/20189 — No emprego formal, o setor dos serviços está na liderança da criação de novos postos de trabalho em 2019. Em janeiro e fevereiro, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados da Secretaria Nacional do Trabalho, os 3,986 milhões de estabelecimentos registrados contrataram 642,6 mil trabalhadores e demitiram 530,2 mil. O saldo positivo representa a abertura de 112,4 mil novas vagas nos primeiros dois meses do ano. Entre os seis subsetores inscritos no CAGED, o de “serviços de ensino” está no primeiro lugar na criação de vagas: 52,9 mil. No segundo lugar, aparece o “comércio e administração de imóveis”, com 45,8 mil vagas, seguido do “alojamento e alimentação”, com 24,5 mil, e do “serviços médicos, odontológicos e veterinários”, com 22,9 mil.

SERVIÇOS: + 112.412 vagas
INDÚSTRIA: + 33.472 vagas
ADM. PÚBLICA: + 11.395 vagas
CONSTRUÇÃO CIVIL: + 11.097 vagas
COMÉRCIO: + 5.990 vagas
SERVIÇOS UT. PÚBLICA: + 865
AGROPECUÁRIA: - 3.077

Emprego 2018
24/01/2019 — O Brasil criou 421.078 empregos com carteira assinada em 2018. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério da Economia. Este é o primeiro resultado positivo anual depois de três anos de retração no emprego. O resultado de 2018 ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro. O saldo é decorrência do encontro das 14.887.209 admissões com as 14.466.131 demissões registradas no CAGED no ano passado. Para o desempenho nacional, o Estado de São Paulo contribuiu com a criação de 122.512 novas vagas de emprego, representando 29,1% do total. O Rio de Janeiro, que, há tempos, passa por uma crise, ficou no vermelho, com o fechamento de 2.099 postos de trabalho. Minas Gerais, por seu lado, criou 69.805 novas vagas.

O desempenho positivo do emprego formal no país foi puxado pelo setor de serviços, que gerou 340.683 postos de trabalho, superando, com louvor, o desempenho de 2017, quando o resultado ficou negativo em -16.402 vagas. Em 2018, todos os sub-setores dos serviços registrados no CAGED apresentaram saldo positivo. O destaque vai para o sub-setor do “comércio e administração de imóveis”, que criou 149.738 novas vagas. Em segundo lugar, aparece o sub-setor da “saúde”, envolvendo serviços médicos, odontológicos e veterinários, com 82.320 novas vagas. Os outros sub-setores marcaram: “hotelaria e alimentação”, 45.645 vagas; “transportes e comunicações”, 28.949; “ensino”, 26.751; e “instituições de crédito”, 7.280. De acordo com os números, a indústria não reagiu. Fechou 2018 no vermelho com -2.599 vagas.

Setores 2018
SETORES   ADMISSÕES   DEMISSÕES   SALDO
SERVIÇOS   6.271.743   5.931.060   340.683
COMÉRCIO   3.745.749   3.662.566   83.183
SERVIÇOS DE UTILIDADE PÚBLICA   76.195   69.962   6.233
CONSTRUÇÃO CIVIL   1.304.499   1.299.276   5.223
ESTRATIVISMO MINERAL   35.781   34.421   1.360
INDÚSTRIA   2.426.698   2.429.297   -2.599
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA   60.268   66.189   -5.921
AGROPECUÁRIA E PESCA   966.276   973.360   -7.084