IPCA

11/01/2020 — O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo de dezembro subiu 1,15%, acima do de novembro, quando registrou 0,51%. Este foi o maior resultado para um mês de dezembro desde 2002, quando o IPCA ficou em 2,10%. Em dezembro de 2018, a taxa marcou 0,15%. No ano, o IPCA acumulou variação de 4,31%, acima dos 3,75% registrados em 2018. O grupo “alimentação e bebidas” apresentou a maior variação, 3,38%, e o maior impacto (0,83) entre os nove grupos de produtos e serviços pesquisados. Outros seis grupos também registraram alta em dezembro, com destaque para os “transportes” (1,54%) e as “despesas pessoais” (0,92%). No lado das quedas, a maior contribuição negativa veio da “habitação(-0,13%), cuja variação no índice do mês foi de -0,82%. Os demais grupos ficaram entre a queda de 0,48% nos “artigos de residência” e a alta de 0,66% no “comunicação”.

Mês a Mês
0,32% em janeiro
0,43% em fevereiro
0,75% em março
0,57% em abril
0,13% em maio
0,01% em junho
0,19% em julho
0,11% em agosto
-0,04% em setembro
0,10% em outubro
0,51% em novembro
1,15% em dezembro

IPCA 15
22/12/2019 — A alta nos preços das carnes teve o maior impacto na prévia da inflação de dezembro. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 subiu 1,05% em relação a novembro (0,14%), a maior alta mensal desde junho de 2018 e o maior resultado para dezembro desde 2015. Entre os itens de alimentação e bebidas, a alta foi de 2,59%. Além das carnes, que registraram alta de 17,71% em dezembro e contribuíram com o maior impacto individual no índice do mês (0,48%), houve altas também noutros produtos como o feijão-carioca (20,38%) e as frutas (1,67%). Nas quedas de preços, o destaque ficou com a batata-inglesa (-9,33%) e a cebola (-7,18%).

As despesas com a alimentação fora do domicílio e com transportes também pesaram muito no bolso do consumidor nos primeiros quinze dias de dezembro, segundo a pesquisa do IBGE. As passagens aéreas, cujos preços já haviam subido 4,44% em novembro, tiveram alta de 15,63% em dezembro. A gasolina (1,49%) e o etanol (3,38%) também continuam a subir de preço. O gás de botijão também ficou mais caro (0,32%), após o reajuste de 4% no preço do botijão de treze quilos, nas refinarias, a partir do dia 27 de novembro. A inflação chegou, inclusive, aos bolões de loteria de final de ano. Os jogos, por causa dos reajustes nos preços das apostas lotéricas, com vigência a partir do dia 10 de novembro, ficaram 36,99% mais caros.


 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados