IPCA 15

09/08/2019 — O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo de julho variou 0,19%, 0,18% acima do resultado de junho, de 0,01%. Esse foi o IPCA mais baixo para um mês de julho desde 2014, quando ficou em 0,01%. A variação acumulada no ano ficou em 2,42% e, em relação aos últimos doze meses, o índice recuou para 3,22%, abaixo dos 3,37% registrados nos doze meses imediatamente anteriores. Em julho de 2018, a taxa marcou 0,33%. O índice de julho concentrou-se no grupo “habitação”, cuja variação, de 1,20%, correspondeu a um impacto de 0,19% na taxa geral. O grupo “alimentação e bebidas”, com variação de 0,01% apresentou estabilidade no nível de preços de junho para julho. Já os grupos “vestuário“ (-0,52%), “saúde e cuidados pessoais” (-0,20%) e “transportes” (-0,17%) apresentaram deflação no mês sete.

cebola1Cebola
Nos supermercados dá para perceber quem é o vilão da inflação no grupo “alimentação”. De acordo com a pesquisa do IBGE para compor o IPCA, os preços desse tempero subiu 20,7%. Além dos preços altos, é perceptível a falta de qualidade dos produtos expostos. O vice-vilão de julho nos alimentos são as frutas, com alta média de 2,51%. Também subiu o preço geral das carnes, na base de 1,10%. Por outro lado, o tomate, que, até abril, estava à frente das altas de preços, apresentou queda de -11,3%, seguido do feijão-carioca, com -8,86% e das hortaliças em geral, com -4,98%. No grupo “habitação”, o item que mais pesou na inflação oficial foi a energia elétrica

Mês a Mês
0,32% em janeiro
0,43% em fevereiro
0,75% em março
0,57% em abril
0,13% em maio
0,01% em junho
0,19% em julho


 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados