confrinho rosa2Poupança

10/08/2020 — A captação líquida de recursos na caderneta de poupança em julho foi de R$ 28,2 bilhões. Esse é o maior volume de depósitos líquidos para um mês de julho em toda a série histórica do investimento, iniciada em 1995. Também marcou o quinto mês consecutivo com registro de depósitos líquidos. Em março, quando a pandemia da Covid-19 fez com que o isolamento social se intensificasse, com reflexos sobre a atividade econômica, as famílias já haviam depositado R$ 12,2 bilhões líquidos na poupança. Em abril, foram R$ 30,5 bilhões, em maio R$ 37,2bilhões e em junho R$ 20,5 bilhões. Os números de julho mostram que os depósitos brutos na caderneta carimbaram R$ 292,3 bilhões, enquanto os saques atingiram R$ 264,1 bilhões. No mês sete, a poupança acumulou depósitos líquidos de R$ 112,6 bilhões.

Em junho
07/07/2020 — Em meio à crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus, os brasileiros fizeram mais depósitos do que saques na caderneta de poupança em junho de 2020. Dados do Banco Central mostram que, no mês seis, os depósitos líquidos somaram R$ 20,5 bilhões. Este é o maior volume de depósitos líquidos para um mês de junho em toda a série histórica, iniciada em 1995. Junho também foi o quarto mês consecutivo em que houve registro de depósitos líquidos. Considerando o rendimento de R$ 2,038 bilhões de junho, o saldo total da poupança atingiu R$ 943,6 bilhões no mês passado. No primeiro semestre de 2020, a poupança acumulou depósitos líquidos de R$ 84,4 bilhões. A remuneração da poupança é controlada pela Taxa Referencial mais 70% da Taxa Selic. Atualmente a primeira está em zero e a segunda, em 2,25%.

Em maio
06/06/2020 — Em maio, os depósitos da caderneta de poupança registraram R$ 235,1 bilhões. Superaram, assim, as retiradas, marcadas em R$ 197,9 bilhões, segundo dados divulgados pelo Banco Central. Com isso, a captação líquida ficou positiva em R$ 37,2 bilhões no mês, recorde histórico para qualquer mês na série histórica iniciada em 1995. Essa captação líquida cresceu 22% em relação ao mês de abril (R$ 30,5 bilhões). No acumulado dos cinco primeiros meses de 2020, a captação líquida da poupança somou R$ 63,9 bilhões, contra retirada de R$ 17 bilhões do mesmo período do ano passado. No quinto mês de 2020, os rendimentos creditados somaram R$ 2,203 bilhões. O saldo no mês carimbou R$ 921,066 bilhões. Por causa da taxa básica de juros (Selic) baixa, de 3,75%, o rendimento da Caderneta de Poupança está 2,1% ao ano.

poupanca saco1Em abril
10/05/2020 — Em abril, os depósitos na Caderneta de Poupança superaram as retiradas. Segundo relatório divulgado pelo Banco Central, os depósitos somaram R$ 215,4 bilhões. As retiradas ficaram em R$ 184,9 bilhões. Assim, a captação líquida ficou positiva em R$ 30,5 bilhões em abril, recorde histórico para qualquer mês na série iniciada em 1995. No acumulado dos quatro primeiros meses de 2020, a captação líquida da poupança totaliza R$ 26,7 bilhões, contra retiradas de R$ 16,278 bilhões do mesmo período do ano passado. No quarto mês de 2020, os rendimentos creditados somaram R$ 2,284 bilhões e o saldo da caderneta de poupança no mês ficou em R$ 881,662 bilhões. Mesmo com esse desempenho, a poupança ainda está sendo pouco atrativa por causa da queda da taxa básica de juros, a Selic.

CADERNETAS DE POUPANÇA — Foram concebidas pelo imperador Dom Pedro II em 1861 com o decreto que instituiu e regulou a Caixa Econômica Federal. Tinha na época o objetivo único de remunerar depósitos com juros de 6% ao ano com a garantia do governo imperial. Essa modalidade de investimento era destinada às pessoas de baixa renda e permitia depósitos de até 50 mil réis. Em 1874, o rendimento da caderneta de poupança foi alterado através de um novo decreto. Pela nova norma, ficou estabelecido que as taxas de juros remuneratórios nunca seriam superiores a 6% ao ano e que seus valores seriam fixados anualmente pelo governo imperial.

Em 2012, a legislação brasileira determinou que os depósitos na caderneta de poupança realizados até 3 de maio daquele ano continuassem recebendo remuneração adicional de 0,5% ao mês (além da remuneração básica). Os depósitos realizados a partir de 4 de maio de 2012 (a então nova poupança), passaram a receber remuneração adicional variável de acordo com a meta estabelecida pelo Sistema Especial de Liquidação e de Custódia, mais conhecido como Taxa Selic. Com essas alterações, a rentabilidade adicional da caderneta de poupança passou a ficar sujeita às variações da referida taxa, mas mantendo-se limitada a 0,5% ao mês durante períodos de altas taxas de juros. Por isso, segundo os economistas, quanto menor for a Selic melhor será o investimento na caderneta de poupança.


 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados