Imprimir
Categoria: Emprego Brasil
Acessos: 6546

CAGED

28/07/2020 — O Brasil perdeu 1.198.363 de postos de trabalho com carteira assinada no primeiro semestre deste ano. Esse é o pior resultado para o período desde o início da série histórica, iniciada em 2010. De acordo com os dados divulgados pelo Governo Federal, no mesmo período do ano passado foram criadas 408.500 vagas. O mercado de trabalho afetou-se fortemente pela pandemia da Covid-19. O alastramento da doença provocou o fechamento de diversas atividades econômicas no país. O resultado do primeiro semestre é o saldo do confronto entre as 6.718.276 contratações e as 7.916.639 demissões registradas no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados.

Segundo o CAGED, apenas no mês de junho fecharam-se 10.984 vagas com carteira, no pior resultado para o mês desde 2016 (-91.032 vagas). O número é, também, pior que o registrado em junho de 2019 (+48.436), mas representa desaceleração no ritmo de perda de vagas em relação aos meses anteriores, também afetados pela pandemia. O total de pessoas com carteira assinada em junho somou 37.611.260, o que representa uma variação de -0,03% em relação ao mês anterior. Entre as atividades, a construção civil, com mais 17.270 vagas formais, e a agropecuária, com mais 36.836, foram as únicas com resultado positivo em junho. O pior desempenho ficou com o setor de serviços, com o fechamento de 44.891 postos de trabalho. Também no vermelho, o comércio fechou 16.646 vagas e a indústria, 3.545.

carteira2Em maio
30/06/2020 — O Brasil fechou 331.901 postos de trabalho com carteira assinada em maio, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgados pela Secretaria Especial do Trabalho. Foi o pior desempenho para o mês desde o início da série histórica. Em relação a abril (-902.841 vagas), o número melhorou. Com o resultado de maio, o corte de vagas acumulado em 2020 soma 1.144.875, o pior desempenho para o período também desde 2010. Os números ainda representam um mergulho muito mais profundo que o registrado nos dois anos em que houve crise econômica.

Considerando o mesmo período, foram fechadas 243.948 vagas em 2015 e 448.101 em 2016. No ano passado, foram criadas 351.062 vagas com carteira assinada no país. Em maio, quatro dos cinco grupos de atividades econômicas inscritos no CAGED mostraram desempenho negativo, com destaque para o setor dos serviços, com -143.479 postos de trabalho. Somente o grupo da agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura teve saldo positivo no mês: +15.993 vagas. Nos outros setores, a indústria fechou 96.912 vagas; o  comércio, 88.739; e a construção civil, 18.758. Todos os estados mostraram taxas negativas no emprego formal em maio. Em São Paulo perderam-se 103.985 vagas, representando 31,3% do total..