Imprimir
Categoria: Empresas Brasileiras
Acessos: 5594

itaipava-lula1Maracutaia Cervejeira

27/01/2015 — A revista Época desta semana informa que a construção das unidades da Cervejaria Petrópolis, que produz a Itaipava, na Bahia e em Pernambuco, tiveram lances bastante suspeitos. Como o grupo tinha problemas com a Receita Federal, o empréstimo de R$ 844 milhões conseguidos junto ao Banco do Nordeste foi feito sob a apresentação de cartas de fiança. A empresa estava “gastando” muito com os juros dessas cartas. Por isso, em 2014, houve um pedido para que elas fossem “descartadas”. Os técnicos do BNB deram parecer desfavorável à pretensão. Sob a pressão do PT, porém, as cartas de fiança foram “levantadas”. Doze dias depois, a empresa depositou R$ 5 milhões na conta da campanha da Dilma Rousssef. Depois, doou mais R$ 12,5 milhões. Clique nas imagens abaixo para ampliar.

itaipava-bnb1 itaipava-bnb2 itaipava-bnb3 itaipava-bnb4

itaipava-brahma1Itaipava vs. Brahma
09/01/2015 — A Cervejaria Petrópolis pode utilizar a cor vermelha nas latas da cerveja Itaipava. Por maioria de votos, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça reformou acórdão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro que havia proibido a empresa de comercializar a cerveja na lata vermelha e ainda a condenou a pagar R$ 200 mil de indenização à Ambev por danos morais. O embate judicial entre as duas empresas começou em 2011, alguns meses após o lançamento da cerveja Brahma com lata vermelha. A Ambev alegou que a lata do produto da Itaipava confundia o consumidor e tinha a finalidade de diluir o efeito da campanha publicitária da Brahma. Embora o tribunal estadual tenha concordado com essa tese, o STJ decidiu que “cor não é marca”, de acordo com a Lei da Propriedade Industrial.

petropolis-itaipava1Fábrica no Nordeste
27/08/2012 — Quase dois meses após a divulgação de sua primeira fábrica no
Nordeste, em Alagoinhas (BA), o Grupo Petrópolis, dono da marca Itaipava, anunciou nesta sexta-feira a construção da segunda unidade na região, que tem apresentado o maior crescimento no consumo de cerveja do país nos últimos anos. Com aporte de, no mínimo, R$ 600 milhões, a cidade escolhida é Itapissuma, em Pernambuco. De acordo com comunicado da empresa, tanto a fábrica de Alagoinhas quanto a de Itapissuma, que totalizam investimentos mínimos de R$ 1,7 bilhão, fazem parte da estratégia de expansão da empresa.

A cervejaria quer consolidar a vice-liderança no setor e estar presente em 100% do território nacional até 2020. Vai se instalar justamente onde seus concorrentes têm unidades: a Schincariol possui uma fábrica em Alagoinhas há 15 anos e a Ambev inaugurou a sua unidade em Itapissuma neste ano. “O Nordeste é um grande mercado capaz de sustentar duas fábricas sem problemas”, disse na nota distribuída para a imprensa o diretor de mercado do grupo, Douglas Costa, enfatizando que a Petrópolis, hoje, é a única grande cervejaria do país com capital 100% brasileiro. Os investimentos em Itapissuma incluem as fases de infraestrutura, contratação e treinamento de pessoal, e operacionalização inicial da unidade.

A capacidade de produção da fábrica pernambucana será de 6 milhões de hectolitros de cerveja/ano, podendo ser ampliada. A empresa ainda informou que a construção e as fases subsequentes vão gerar aproximadamente 474 empregos diretos para a unidade fabril. Quando a unidade de produção e o centro de distribuição estiverem operando em plena capacidade, a estimativa é que mais mil vagas sejam abertas. As novas fábricas deverão motivar a abertura de 41 revendas no Nordeste: doze em Pernambuco, cinco em Alagoas, sete na Paraíba, seis no Rio Grande do Norte e onze no Ceará. Em 2013, o grupo comprou, em leilão judicial, por R$ 17 milhões, as instalações da empresa Bebidas Momesso, tradicional fábrica de refrigerantes de Sorocaba, São Paulo.