Imprimir
Categoria: Empresas Brasileiras
Acessos: 11231

Magazine

29/10/2019 — A varejista Magazine Luiza teve crescimento do lucro no terceiro trimestre de 2019 apoiado na forte expansão das vendas, principalmente as de comércio eletrônico. A empresa anunciou que o lucro ajustado do período somou R$ 136,3 milhões, alta de 12,7% sobre o mesmo período de 2018. Em termos líquidos, o lucro somou R$ 235,1 milhões, salto de 96,7% na mesma base de comparação, dado influenciado por maiores receitas financeiras e pelo benefício dos juros sobre capital próprio. O resultado operacional do Magazine Luiza somou R$ 300,7 milhões entre julho e setembro, aumento de sete por cento na comparação anual. O destaque do período foram as vendas feitas  pela internet. Essas vendas deram um salto de 300%, chegando a 48% do total. A receita líquida no trimestre em referência chegou a R$ 4,860 bilhões, crescimento de 32,5%.

Juros
05/10/2019 — O Conselho de Administração do Magazine Luíza aprovou esta o pagamento de R$ 122 milhões de juros sobre o capital próprio aos seus acionistas. O montante equivale a R$ 0,0736066061 por ação. Ou seja, quem tiver, por exemplo, um lote de dez mil ações receberá R$ 736,06. A companhia informou que o valor poderá variar para cima ou para baixo até a data efetiva do pagamento, previsto para o dia sete de novembro, dependendo da quantidade de ações na tesouraria. O Magazine Luíza tem 554,2 milhões de ações ordinárias em circulação. Desse total, 57,5% pertencem à Ltd. Administração e Participações, a controladora da empresa. Os acionistas esparsos são 35,6%. Pessoalmente, a Luíza Helena Trajano detém 1,33%, somando 7,370 milhões de ações.

No Pará
19/09/2019 — A varejista Magazine Luiza abriu as suas primeiras lojas no Estado do Pará. No total, a companhia pretende abrir dezenove lojas  em catorze cidades diferentes até outubro. O plano é que, até o fim deste ano, outros vinte e um pontos de venda sejam instalados, totalizando quarenta lojas naquele estado. De acordo com o comunicado ao mercado, o grupo vai investir R$ 50 milhões no Pará até dezembro para abrir as novas  unidades espalhadas por trinta e quatro cidades. Também serão instalados novos centros de distribuição, nas cidades de Marituba e Benevides. O Magazine Luíza fechou o primeiro semestre de 2019 com um lucro líquido de R$ 518,7 milhões. Neste ano, as ações da companhia na Bolsa de Valores de São Paulo tiveram valorização de 55,76%.

Ações
03/08/2019 — O Magazine Luiza aprovou em Assembleia Geral Extraordinária o desdobramento de suas ações na proporção de um para oito, sem modificação do capital social. Após o desdobramento, esse capital social permanecerá no montante de R$ 1.770.911.472,00, dividido em 1.524.731.712 de ações ordinárias, todas nominativas, escriturais e sem valor nominal. De acordo com o comunicado feito ao mercado, o desdobramento das ações será efetivado, preservando-se todos os direitos dos acionistas. Os papéis da companhia fecharam a semana econômica nesta sexta-feira (2) no patamar de R$ 283,55 a unidade. A rentabilidade mensal está em 7,52% e a anual em 57,47%. A companhia está prestes a divulgar o balanço do segundo trimestre.

Magalu
17/06/2019 — O Magazine Luiza concluiu a compra da companhia de comércio eletrônico Netshoes pelo equivalente a 3,70 dólares por ação, avaliando a empresa em cerca de 115 milhões de dólares. A oferta foi aprovada por 90,3% dos acionistas da companhia americana, informou a varejista francana. Na quinta-feira passada, a rede de artigos esportivos Centauro, chegou a apresentar nova oferta pela Netshoes, mas desistiu da ação em vista da pressão do Magazine Luíza. De acordo com os dados, a empresa americana tem 6,8 milhões de clientes ativos. A aquisição representa um passo significativo na estratégia de crescimento no e-commerce Magalu. Por causa dessa aquisição, as ações do Magazine Luíza estão em alta. No ano, o crescimento é de 17,7%.

Livros
28/04/2019 — O Magazine Luiza anunciou a entrada no mercado online de venda de livros físicos, com oferta própria de 240 mil títulos. Ao serem adquiridos, os livros poderão ser retirados nas lojas da rede, com base num plano da empresa de ampliar o uso do seu aplicativo. A decisão se baseou no fato de que a empresa tem lojas em trezentas cidades que não contam com livrarias físicas. O anúncio da companhia ocorre num momento de dificuldades das duas maiores redes de livrarias do país, a Cultura e a Saraiva. A primeira está em processo de recuperação judicial e a segunda fechou diversas lojas espalhadas pelo país. O Magazine Luíza pretende, assim, com o aplicativo Magalu, ser uma referência na venda de livros.