frederico trajano 20171209

Magalu

17/06/2019 — O Magazine Luiza concluiu a compra da companhia de comércio eletrônico Netshoes pelo equivalente a 3,70 dólares por ação, avaliando a empresa em cerca de 115 milhões de dólares. A oferta foi aprovada por 90,3% dos acionistas da companhia americana, informou a varejista francana. Na quinta-feira passada, a rede de artigos esportivos Centauro, chegou a apresentar nova oferta pela Netshoes, mas desistiu da ação em vista da pressão do Magazine Luíza. De acordo com os dados, a empresa americana tem 6,8 milhões de clientes ativos. A aquisição representa um passo significativo na estratégia de crescimento no e-commerce Magalu. Por causa dessa aquisição, as ações do Magazine Luíza estão em alta. No ano, o crescimento é de 17,7%.

Lucro Trimestral
24/05/2019 — O Magazine Luiza apresentou lucro líquido de R$ 132,1 milhões no primeiro trimestre de 2019, representando uma queda de 10,4% sobre o mesmo período do ano passado. O lucro, descontados os juros, os impostos, a depreciação patrimonial e a amortização de dívidas, somou R$ 395,4 milhões no período, alta de 31,6%, com margem de 9,1%, representando 0,8% acima sobre o resultado do primeiro trimestre de 2018. Esse desempenho decorreu do crescimento das vendas, do resultado positivo do e-commerce e da diluição das despesas fixas. A receita líquida da varejista cresceu 19,8%, chegando a R$ 4,329 bilhões no final de março. As vendas totais, incluindo marketplace, avançaram 28,0%, marcando R$ 5,718 bilhões.

Livros
28/04/2019 — O Magazine Luiza anunciou a entrada no mercado online de venda de livros físicos, com oferta própria de 240 mil títulos. Ao serem adquiridos, os livros poderão ser retirados nas lojas da rede, com base num plano da empresa de ampliar o uso do seu aplicativo. A decisão se baseou no fato de que a empresa tem lojas em trezentas cidades que não contam com livrarias físicas. O anúncio da companhia ocorre num momento de dificuldades das duas maiores redes de livrarias do país, a Cultura e a Saraiva. A primeira está em processo de recuperação judicial e a segunda fechou diversas lojas espalhadas pelo país. O Magazine Luíza pretende, assim, com o aplicativo Magalu, ser uma referência na venda de livros.

Lucro
08/03/2019 — O Magazine Luiza encerrou o quarto trimestre de 2018 com um lucro líquido de R$ 189,6 milhões. No acumulado dos últimos doze meses, a empresa acumulou um lucro líquido de R$ 597,4 milhões. No dia 31 dezembro 2018, a companhia possuía um ativo total de R$ 8,8 bilhões e um patrimônio líquido de R$ 2,3 bilhões. O balanço, como determina a lei das sociedades anônimas, foi publicado no portal da Bolsa de Valores de São Paulo. Na comparação com o resultado de 2017, de R$ 389,0 milhões, o crescimento do lucro líquido da varejista marcou 53,6%. O resultado financeiro da varejista teve como âncora o crescimento no comércio eletrônico e a diminuição das despesas. A receita líquida da companhia no ano passado atingiu R$ 15,6 bilhões.

Vagas
19/02/2019 — A varejista Magazine Luíza anunciou a abertura de 1.267 vagas de emprego em suas unidades em todo o país. As vagas são para lojas, áreas corporativas, áreas de informática, logística, atendimento e estágio. Segundo publicado no portal da empresa na internet, os salários, em alguns casos, ultrapassam os R$ 6 mil mensais. Os interessados podem se inscrever através da internet, no site 99Jobs. Depois de fechadas as inscrições, serão feitos processos seletivos para as áreas com vagas. A primeira etapa da prova consistirá em perguntas básicas do dia-a-dia. O objetivo é saber como o candidato agiria em situações pré-estabelecidas. O Magazine Luíza tem mais de 950 lojas físicas em quase todos os estados. Mas, ultimamente, tem investido pesado na área do comércio digital.

Juros & Capital
08/01/2019 — A varejista Magazine Luiza publicou nota em que informa o pagamento de juros sobre o capital próprio no montante bruto de R$ 122 milhões. De acordo com o comunicado, considerando as 188.964.191 ações em circulação, o pagamento correspondente será de R$ 0,59 por ação. A maior acionista do grupo é a própria holding, a Ltd. Administração & Participações, com 57,5% das ações. Deverá embolsar R$ 64,1 milhões. A Wagner Garcia Participações detém 3,45% das ações, com direito a receber R$ 3,846 milhões. Individualmente, a presidente do grupo Luiza Helena Trajano conta com 1,33% das ações. Com essa distribuição de juros, ficará R$ 1,483 milhão mais rica. Os dados são da Bolsa de Valores de São Paulo.


 

 

 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados