banner-topo

Obras de Antônio Callado serão reeditadas em 2014 pela Editora José Olympio

antonio-callado1Antônio Callado

A obra do jornalista, escritor e dramaturgo Antônio Callado (1917-1997) será reeditada pela Editora José Olympio a partir de março de 2014. Quarup, lançado originalmente em 1967, e A Assunção de Salviano, de 1954, abrirão a nova coleção. Ao todo, segundo a editora, serão relançados nove romances, sete volumes com peças teatrais e um com ensaios e crônicas, à razão de um volume por mês.

ANTÔNIO CARLOS CALADO nasceu no dia 26 de janeiro de 1917, na cidade de Niterói, Rio de Janeiro. Morreu no dia 28 de janeiro de 1997, na cidade do Rio de Janeiro. Começou a carreira jornalística no Correio da Manhã. Formou-se em Direito e, em 1941, mudou-se para Londres, onde trabalhou na British Broadcasting Corporation — a famosa BBC. Voltou para o Brasil em 1947. Em 1968, foi para a Ásia para cobrir a Guerra do Vietnã para o Jornal do Brasil. Destacou-se no jornalismo e na literatura não só pelo texto bem cuidado, mas também pelo engajamento político.

É dele a célebre frase, publicada na Veja, em julho de 1976: “Quem opta pelo regime autoritário não tem fé nem apreço pela criação artística.” Em Quarup, de 1967, cuja história se passa entre 1954 e 1964, o autor mostra a conscientização política de um religioso. Em Bar Don Juan, de 1971, traça um retrato psicológico da “esquerda festiva”, rótulo irônico dado às pessoas que, reunidas em mesas de bar, esboçavam planos de derrubada do regime militar que se havia instalado no Brasil em 1964. Reflexos de Baile, de 1976, é considerado pela crítica a sua obra prima, mas foi Quarup que o imortalizou, ao ser adaptado para o cinema, com sucesso, pelo diretor Ruy Guerra.

Obras
1951 — O fígado de Prometeu (teatro)
1953 — Esqueleto na Lagoa Verde (reportagem)
1954 — A Assunção de Salviano (romance)
1954 — A Cidade Assassinada (teatro)
1955 — Frankel (teatro)
1957 — A Madona de Cedro (romance)
1957 — Retrato de Portinari (biografia)
1957 — Pedro Mico (teatro)
1957 — Colar de Coral (teatro)
1960 — Os Industriais da Seca (reportagem)
1962 — O Tesouro de Chica da Silva (teatro)
1964 — Forró no Engenho Cananéia (teatro)
1965 — Tempo de Arraes (reportagem)
1967 — Quarup (romance)
1969 — Vietnã do Norte (reportagem)
1971 — Bar Don Juan (romance)
1976 — Reflexos de Baile (romance)
1981 — Sempreviva (romance)
1982 — A Expedição Montaigne (romance)
1983 — A revolta da Cachaça (teatro)
1985 — Entre o Deus e a Vasilha (reportagem)
1985 — Concerto Carioca (memórias)
1989 — Memórias de Aldenham House (romance)
1993 — O homem Cordial e Outras Histórias (contos)
2005 — Antonio Callado, Repórter, Reportagem (póstumo)


© 2013 Tio Oda - Todos os direitos reservados