banner-topo

Carlos de Brito e Mello e o ato imoral de controlar a vida alheia

a-cidade-o-inquisdor110 de setembro de 2013
linha-gif

Está chegando às livrarias brasileiras a obra A Cidade, O Inquisidor e Os Ordinários, do autor Carlos de Brito e Mello. A iniciativa é da Companhia das Letras, com preço sugerido de R$ 49,50. A versão e-book sai por R$ 34,50. Por uma dessas inexplicáveis coincidências, o livro é lançado justamente quando documentos revelam que a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos teria monitorado conversas da presidente Dilma Rousseff. Entretanto, o autor, que tem origem na psicanálise, é um ficcionista, embora os personagens de seu livro possam servir a uma poderosa metáfora sobre o big brother orweliano, segundo o crítico Antônio Gonçalves Vilho, do jornal O Estado de S. Paulo.

O livro começa com uma convocação para que todos os cidadãos de uma cidade examinem seu caráter e suas ações. Nesse prólogo, o personagem Apregoador avisa que todos serão visitados em casa e ali mesmo sofrerão as penas impostas por uma espécie de inquisição pós-moderna, em que se destacam as figuras dele próprio e do Olheirento. Ambos vivem no alto de um prédio, ao relento, espreitando os moradores da cidade, a mando de um inquisidor. Segue-se o comportamento dos próprios habitantes, que, pressionados, usam como defesa a acusação contra o seu próximo, num círculo que os torna todos culpados. Embora exista um narrador principal, o autor garantiu a outras vozes do romance o poder de entrar clandestinamente no barco da narração, construindo o romance sob uma plataforma polifônica.

carlos-b-mello1CARLOS DE BRITO e MELLO á natural de Belo Horizonte-MG e nasceu em 1974. Viajou por muitas cidades do interior do seu estado, as quais guardam costumes esquisitos. Como em Visconde do Rio Branco, onde ouviu, para seu espanto, um alto-falante anunciar os óbitos dos moradores, o que lhe serviu de inspiração para o livro A Passagem Tensa dos Corpos. Neste romance, o protagonista é um cadáver, que, preso a uma cadeira da sala de jantar de uma família burguesa, testemunha, em sua forma incorpórea, os preparativos do casamento da filha, buscando, inutilmente, uma linguagem que lhe permita existir. O filho, nesse ambiente lúgubre, passa os dias trancado no quarto. Além deste primeiro romance e do que está sendo lançado, ele é autor de um livro de contos (O Cadáver Rider e Seus Despojos), lançado em 2007.


© 2013 Tio Oda - Todos os direitos reservados