banner-topo

Sai “O Poder Ultrajovem”, do mineiro Carlos Drummond de Andrade

o-poder-ultrajovem1Carlos Drummond de Andrade

31/07/2015 — Está nas livrarias uma nova edição do livro “O Poder Ultrajovem”, do Carlos Drummond de Andrade. A obra reúne textos publicados pelo autor mineiro na imprensa entre o final da década de 1960 e o início da década de 1970. Trata-se de um poderoso conjunto de prosa e verso, sempre pendendo para os domínios da crônica, gênero que o escritor praticou como poucos. Com um olhar maduro e algo desencantado, Drummond se debruça sobre os mais diversos aspectos da vida e da sociedade daquela época.

a-falta-que-ama1Publicado originalmente m 1972, este é o segundo livro do autor a ser lançado no ano. Em maio, pela mesma Companhia das Letras, chegou “A Falta Que Ama”, publicado originalmente em 1968. Esse exemplar aprofunda questões que sempre marcaram a obra poética do autor: afetos, memória e observações sobre a realidade brasileira. Ao mesmo tempo desencantados e sardônicos, esses temas perpassam o livro inteiro, com leveza e profundidade. Com posfácio de Marlene de Castro Correia, a edição conta com caderno de imagens e bibliografia recomendada para aqueles que quiserem mergulhar mais fundo na obra de um de dos maiores poetas brasileiros.

drummond-car1Carlos Drummond de Andrade
Nasceu no dia 31 de outubro de 1902, na cidade de Itabira, Minas Gerais. Fez os estudos primários na sua cidade natal e os secundários em Belo Horizonte. Formou-se em farmácia pela Universidade Federal de Minas Gerais, mas jamais exerceu a profissão. Na capital mineira, integrou, em 1925, o grupo que fundou “A Revista”, publicação literária de tendência nacionalista que se tornou o porta-voz do modernismo em seu estado. No ano seguinte, entrou para o jornalismo como redator-chefe do jornal O Estado de Minas.

Em 1928, publicou o poema “No Meio do Caminho”, o qual provocou escândalo e controvérsia. Lançou o seu primeiro livro — “Alguma Poesia” — em 1930. Em 1934, depois do lançamento do livro “Brejo das Almas”, entrou para a política, assumindo a chefia de gabinete do Ministério da Educação, assessorando o então ministro Gustavo Capanema. Permaneceu no serviço público até a aposentadoria. Ligado ao Partido Comunista Brasileiro no início dos anos de 1940, escreveu poesias de fundo social, como a “Sentimento do Mundo” (1940) e “A Rosa do Povo” (1945).

Em suas criações, a indignação com as desigualdades sociais conviveu com um profundo lirismo, o senso de humor e a emoção contida. A partir do livro “Claro Enigma”, de 1951, voltou a registrar o vazio da vida humana e o absurdo do mundo. Em 1954, passou a escrever crônicas no jornal Correio da Manhã e, em 1969, no Jornal do Brasil. Em 1987, foi homenageado pela Escola de Samba Mangueira, que venceu o carnaval carioca com o tema “No Reino das Palavras”. Por ocasião das comemorações dos 500 anos do Brasil, em 2000, foi colocado pelo Almanaque Abril na lista das principais personalidades brasileiras em todos os tempos. Também em homenagem, a Prefeitura do Rio de Janeiro instalou uma estátua dele no calçadão da Praia de Copacabana.



© 2013 Tio Oda - Todos os direitos reservados