banner-topo

Gore Vidal, o mais polêmico escritor americano da era moderna

gore-vidal in101 de agosto de 2012
linha-gif

O romancista, ensaísta, jornalista e dramaturgo Gore Vidal, um dos mais respeitados intelectuais americanos do pós-guerra, morreu na noite desta terça-feira, aos 86 anos, em sua casa em Los Angeles. Segundo o sobrinho do escritor, Burr Steers, ele faleceu devido a complicações de uma pneumonia. Polivalente, o escritor foi autor de centenas de obras, entre novelas, peças, roteiros e ensaios. Talvez o maior trabalho de sua carreira seja a grandiosa série de sete livros denominada Narrativas do Império. Escrito ao longo de 33 anos, o ciclo de novelas históricas retrata a ascensão dos Estados Unidos desde a independência até a transformação do país em uma potência hegemônica.

 

Entre suas outras obras de destaque estão as sátiras Myra Breckenridge (1968) e Duluth (1983), o livro de memórias Palimpsesto (1995), além do romance A Cidade e o Pilar, que causou escândalo ao ser lançado em 1948 por retratar abertamente um protagonista homossexual. Ele também escreveu o drama político The Best Man (1960), peça que teve uma trajetória de sucesso na Broadway. Como roteirista de cinema, ajudou a escrever o épico Ben-Hur (1959), estrelado por Charlton HestonPorém, maior que a carreira como romancista – suficiente para lhe garantir um lugar entre os maiores escritores americanos do século XX –, é a sua trajetória como ensaísta.

 

gore-vidal in2Politizado, o escritor sempre foi visto como um pensador independente, usando sua prosa elegante e erudita, embora também ácida, para opinar sobre um vasto leque de assuntos: religião, homossexualidade, filosofia, crítica literária, entre outros. Sua veia política acabou levando-o a se candidatar a uma vaga no Congresso Americano em 1960 pelo Partido Democrata. Acabou derrotado e optou por se concentrar na literatura. “Os escritores mostram a verdade como a veem. Os políticos nunca abrem o jogo de fato. É impossível ser as duas coisas. Eu obviamente nasci escritor”, declarou na época.


Crítico ferrenho de valores considerados caros para os americanos, como o patriotismo e o cristianismo, se opôs às guerras do Vietnã e do Iraque e irritou os conservadores de seu país ao apregoar o “fim da civilização americana” – corrompida pela influência das grandes corporações e da indústria bélica. Na última década, voltou sua artilharia para a administração de George W. Bush, chamando o ex-presidente de “o homem mais estúpido dos Estados Unidos”. Apesar de não poupar os democratas de sua língua (ou caneta) afiada – considerava os dois grandes partidos dos Estados Unidos lados diferentes de uma mesma moeda –, tinha ligações históricas com o partido de Barack Obama.

 

gore-vidal in3Seu avô, Thomas Gore, foi senador democrata por Oklahoma entre 1907 e 1921. Também era irmão de criação de Jacqueline Kennedy, amigo íntimo da primeira-dama Eleanor Roosevelt e primo distante do ex-presidente Jimmy Carter e do ex-candidato à Presidência Al Gore. Contemporâneo de Truman Capote e Norman Mailer, também gozava do status de escritor-celebridade nos Estados Unidos. Entre seu círculo de amigos – e rivais – estavam John Kennedy, Jack Kerouac, Tennnesse Williams, Orson Welles, Paul Newman, Frank Sinatra e Marlon Brando. Era figura frequente em programas de rádio e televisão e um nome conhecido até para aqueles que não estavam familiarizados com sua obra – mais do que um intelectual, se tornou uma personalidade de destaque em seu país.

 

Nascido Eugene Luther Gore Vidal Jr. em 3 de outubro de 1925, na Academia Militar de West Point, no Estado de Nova York, o intelectual era um filho da elite econômica e política dos Estados Unidos. Seu pai havia sido jogador de futebol americano e basquete na juventude, antes de se transformar em um dos pioneiros da aviação comercial americana – fundou três companhias aéreas, entre elas a que viria a ser a TWA (adquirida em 2001 pela American Airlines) e foi diretor do Departamento de Comércio Aéreo dos Estados Unidos durante o governo do presidente Franklin D. Roosevelt.

 

Já a mãe, Nina Gore, era filha do senador Thomas Gore, foi atriz da Broadway e socialite. Os dois se divorciaram quando ele tinha 10 anos de idade. O escritor passou a infância na capital Washington, mas por um breve período foi estudar na França, de onde voltou após o início da II Guerra Mundial. Na adolescência, estudou na Academia Phillips Exeter, um colégio particular de elite em New Hampshire. Aos 18 anos, preferiu se alistar no Exército a entrar para a Universidade de Harvard. Serviu durante a Segunda Guerra nas Ilhas Aleutas, onde coletaria o material para escrever Williwaw, seu primeiro romance. Em 1946, saiu do Exército e nos dois anos seguintes viveu em Antigua, na Guatemala, onde escreveu Em um Bosque Amarelo e A Cidade e o Pilar. Em seguida, foi morar em Nova Yorkpara se firmar como escritor profissional. 


imperio-gv1Livro: Império
Lançamento no Brasil: janeiro de 1990
Editora: Rocco
Resenha: O autor traça um fascinante panorama da América na virada do século XIX. Como pano de fundo para a trajetória da fictícia de Caroline Sanford, está a luta pelo poder nos Estados Unidos e personagens reais como Theodore Roosevelt (presidente da República) e William Randolph Hearst (poderoso homem de mídia).


 


© 2013 Tio Oda - Todos os direitos reservados