James Augustine Aloysius Joyce
N
asceu no dia 2 de fevereiro de 1882, na cidade de Dublin, Irlanda. Morreu no dia 13 de janeiro de 1941, na cidade de Zurique, Suíça. Era um dos treze filhos do coletor de impostos John Stanislaus Joyce e Mary Jane Murray. Desde os seis anos, estudou em colégios jesuítas, destacando-se sempre como o primeiro da classe. Em 1898, após aguda crise religiosa que quase o levou ao seminário, ingressou no University College. Na universidade, tornou-se mestre de línguas latinas, mas sua curiosidade o levou a aprender matemática, economia e norueguês. Encontrou, ainda, tempo para ler Homero, Aristóteles, Dante Alighieri, Santo Tomás de Aquino e livros de medicina.

Maravilhado, descobriu Henrik Ibsen, sobre o qual escreveria seu primeiro artigo, publicado num jornal de Londres. Neste artigo, exaltou a obra e a coragem do dramaturgo norueguês diante do escândalo que suas peças costumavam provocar. Após traduzir alguns poemas de Gerhart Hauptmann e escrever um drama, deixou Dublin, como destino a Paris. Pretendia estudar medicina, mas nem chegou a pagar a taxa de matrícula: a morte da mãe o obrigou a regressar à Irlanda. Em seguida, publicou as novelas As Irmãs, Evelyn e Depois da Corrida, além dos primeiros poemas de Música de Câmara. Em junho de 1904, decidiu partir para a Ístria, na Itália, onde o esperara um lugar de professor na escola de línguas de Berlitz. Os anos que se seguiram, cheios de doença e miséria, trouxeram o seu primeiro filho. Logo, vieram momentos de maior desespero, pressionado pela vida cheia de dificuldades, pela profissão que detestava, pelos ataques de irite que o levariam a semicegueira e pela recusa dos editores em aceitar os seus livros.

james-joyce in2De Ístria, foi para Roma, onde se empregou numa agência bancária. Nas horas de folga, escreveu duas mil páginas de Stephen Heroe, depois reduzidas a trezentas. Passou a vida a se transferir de uma cidade para outra: Veneza, Bolonha, Pádua, Trieste, Zurique. Em 1907, uma tiragem de Música de Câmara atraiu a atenção de intelectuais, que editavam a revista The Egoist. Nesta revista, finalmente, o autor teve oportunidade de publicar trechos de Retrato do Artista Quando Jovem. A publicação de Dublinenses, em 1914, colocou fim à longa recusa dos editores, os quais consideravam subversivas as quinze novelas escritas entre 1903 e 1905. As novelas desta obra têm como personagens os habitantes da capital irlandesa e reproduzem a atmosfera da cidade. Os Mortos se tornou a mais famosa.

Retrato do Artista Quando Jovem, por seu lado, é uma autobiografia romanceada da juventude do escritor: a família, a vida no colégio, a revolta contra a disciplina, a iniciação sexual e os remorsos provocados por ela. Em 1920, de volta a Paris, cercado de admiradores e amigos, auxiliado financeiramente, pôde escrever a pela Os Exilados e oitocentas páginas do que viria a ser Ulisses. Algumas páginas, publicadas por uma revista, já haviam provocado escândalo: uma liga puritana chegou a processar os editores pela divulgação da “obscenidade”. Mas o livro acabou sendo publicado em 1922. Na Inglaterra e nos Estados Unidos, a obra foi considerada material obsceno. Reconhecido, entretanto, por vários críticos como uma obra-prima, o livro mereceu tradução e até edições clandestinas.

Ulisses seria uma versão moderna da Odisseia de Homero, apresentando um prelúdio em três partes (que corresponde à Telemaquia); doze capítulos centrais (que seguem a aventura de Ulisses); e um final (Nostos, que repete as três divisões iniciais). A ação transcorre em um único dia (16 de junho de 1904, quinta-feira), em Dublin. Os personagens são ligados aos heróis homéricos. Após esta obra, o autor começou a escrever o seu livro de fechamento mais perfeito — Finnegan´s Wake —, do qual publicou vários trechos sob o título Obra Em Progresso. Editado em 1939, o livro é um imenso jogo de palavras, com o qual o autor pretendeu expressar o nascimento, a morte e a ressurreição do mundo. A partir de 1924, a visão do escritor começou a se extinguir e seu estado de saúde a se agravar. Morreu em 1941, após uma cirurgia de úlcera.


 


© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados