mia-couto in129 de maio de 2013
linha-gif

O escritor moçambicano Mia Couto, de 57 anos, foi o vencedor do Prêmio Camões 2013, o principal prêmio para autores em língua portuguesa. A escolha dos jurados, reunidos no Rio de Janeiro, foi unânime. Couto possui uma vasta obra que transita entre diversos gêneros, do romance à crônica, do conto à poesia. Entre suas principais obras publicadas no Brasil estão A Confissão da Leoa, Terra Sonâmbula, O Último Voo do Flamingo, Antes de Nascer o Mundo, todos editados pela Companhia das Letras.

O júri foi formado pelos portugueses José Carlos Vasconcelos, escritor, jornalista e diretor do Jornal de Letras, e Clara Crabbé Rocha, professora da Universidade Nova de Lisboa, além dos brasileiros Alcir Pécora, crítico e professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e Alberto da Costa e Silva, diplomata e membro da Academia Brasileira de Letras; do escritor de moçambicano João Paulo Borges Coelho e do escritor angolano José Eduardo Agualusa. É a segunda vez que um moçambicano ganha o prêmio. O primeiro foi José Craveirinha, em 1991. O Prêmio Camões100 mil euros ao vencedor.

Mia Couto é filho de imigrantes portugueses e nasceu em 1955, na cidade de Beira, a segunda maior do país, atrás apenas da capital Maputo. Na juventude, o escritor integrou o movimento pela libertação de Moçambique da dominação de Portugal. Após a independência, em 1975, trabalhou como jornalista em vários veículos e chegou a assumir o posto de diretor da Agência de Informação de Moçambique. Na década de 1980, voltou à universidade — onde tinha iniciado os estudos em Medicina — para cursar Biologia e exerceu profissão por muitos anos no país. Seu estilo particular é marcado pela forte utilização da linguagem oral. Nos seus livros, o tema da identidade e do encontro entre culturas radicalmente diferentes está muito presente.

Vencedores do Camões
1989 — Miguel Torga (Portugal)
1990 — João Cabral de Melo Neto (Brasil)
1991 — José Caveirinha (Moçambique)
1992 — Virgílio Fereira (Portugal)
1993 — Rachel de Queiroz (Brasil)
1994 — Jorge Amado (Brasil)
1995 — José Saramago (Portugal)
1996 — José Lourenço (Portugal)
1997 — Artur Pepetela (Angola)
1998 — Antônio Cândido (Brasil)
1999 — Sophia Andresen (Portugal)
2000 — Autran Dourado (Brasil)
2001 — Eugénio de Andrade (Portugal)
2002 — Maria Velho da Costa (Portugal)
2003 — Rubem Fonseca (Brasil)
2004 — Augustina Bessa Luís (Portugal)
2005 — Lygia Fagundes Telles (Brasil)
2006 — José Luandino Vieira (Portugal)
2007 — António Lobo Antunes (Portugal)
2008 — João Ubaldo Ribeiro (Brasil)
2009 — Armênio Vieira (Cabo Verde)
2010 — Ferreira Gullar (Brasil)
2011 — Manuel António Pina (Portugal)
2012 — Dalton Trevisan (Brasil)
2013 — Mia Couto (Moçambique)


© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados