banner-topo

Mário de Andrade revisitado com a republicação do livro “O Turista Aprendiz”

o-turista-aprendiz15aMário de Andrade

10/11/2015 — Em homenagem aos setenta anos da morte do escritor Mário de Andrade, o livro “O Turista Aprendiz” será relançado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e pelo Instituto de Estudos Brasileiros, da Universidade de São Paulo, na quinta-feira (12/11/2015). A obra é um livro composto por um conjunto de cartas, crônicas, ensaios, que o autor produziu ao longo de alguns anos. Versam sobre as viagens que ele empreendeu primeiro ao norte do país, até a fronteira com Peru e a Bolívia, em 1927, e depois, em 1928, na viagem a alguns estados do nordeste: Pernambuco, Rio Grande do Norte, Alagoas e Bahia. Mário de Andrade ficou fascinado com o descobrimento de um país pouco conhecido e de culturas locais pouco disseminadas.

mariodeandrade in1Mário Raul de Morais Andrade nasceu no dia 9 de outubro de 1893 e morreu no dia 25 de fevereiro de 1945 na cidade de São Paulo. Foi um poeta, romancista, musicólogo, historiador, crítico de arte e fotógrafo brasileiro. Um dos fundadores do modernismo no país, praticamente criou a poesia moderna brasileira com a publicação de seu livro Paulicéia Desvairada em 1922em 1922. Antes, porém, formou-se em música no Conservatório Dramático Musical de São Paulo. Sob o pseudônimo de Mário Sobral, estreou na poesia com a obra pré-modernista Há Uma Gota de Sangue Em Cada Poema, em 1917. Exerceu uma influência enorme na literatura moderna brasileira e, como ensaísta e estudioso — foi um pioneiro do campo da etnomusicologia — sua influência transcendeu as fronteiras do Brasil.

Foi também a figura central do movimento de vanguarda de São Paulo por vinte anos. Músico treinado e mais conhecido como poeta e romancista, esteve pessoalmente envolvido em praticamente todas as disciplinas que estiveram relacionadas com o modernismo em, tornando-se o polímata nacional do Brasil. Suas fotografias e seus ensaios, que cobriam uma ampla variedade de assuntos, da história à literatura e à música, foram amplamente divulgados na imprensa da época. Foi a força motriz por trás da Semana de Arte Moderna, evento ocorrido em 1922, que reformulou a literatura e as artes visuais no país, tendo sido um dos integrantes do Grupo dos Cinco. As ideias por trás do movimento seriam melhor delineadas no prefácio de seu livro de poesia Paulicéia Desvairada e nos próprios poemas.

Após trabalhar como professor de música e colunista de jornal, publicou seu maior romance, Macunaíma, em 1928. O livro, que seria mais tarde adaptado para o cinema, traça um perfil do brasileiro, com seus defeitos e virtudes, criando a saga do “herói sem caráter”, numa mistura de romance, epopeia, mitologia, folclore e história. Continuou a publicar obras sobre música popular brasileira, poesia e outros temas de forma desigual, sendo interrompido várias vezes devido a seu relacionamento instável com o governo brasileiro. No fim de sua vida, se tornou o diretor-fundador do Departamento Municipal de Cultura de São Paulo, formalizando o papel que ele havia desempenhado durante muito tempo como catalisador da modernidade artística na cidade — e no país.

Obras publicadas

1917 — Há uma Gota de Sangue em Cada Poema
1922 — Pauliceia Desvairada
1925 — A Escrava que Não É Isaura
1926 — Losango Cáqui
1926 — Primeiro Andar
1927 — O clã do Jabuti
1927 — Amar, Verbo Intransitivo
1928 — Ensaios Sobre a Música Brasileira
1928 — Macunaíma
1929 — Compêndio Da História Da Música
1930 — Modinhas Imperiais
1930 — Remate de Males
1933 — Música, Doce Música
1934 — Belasarte
1935 — O Aleijadinho de Álvares De Azevedo
1935 — Lasar Segall
1941 — Música do Brasil
1941 — Poesias
1942 — O Movimento Modernista
1943 — O Baile das Quatro Artes
1943 — Os Filhos da Candinha
1943 — Aspectos da Literatura Brasileira
1944 — O Empalhador de Passarinhos
1945 — Lira Paulistana
1947 — O Carro da Miséria
1947 — Contos Novos
1978 — O Banquete (Editado por Jorge Coli)
1989 — Dicionário Musical Brasileiro (editado por Flávia Toni)
1992 — Será o Benedito!
1995 — Introdução à estética musical (editado por Flávia Toni)



© 2013 Tio Oda - Todos os direitos reservados