asteroide-bennu1Terra Vs. Asteroide Bennu

10/08/2016 — Com 492 metros de diâmetro, o asteroide Bennu, a cada seis anos, cruza a órbita da Terra. Segundo cálculos dos astrônomos, o asteroide tem uma chance em 2,5 mil de colidir com a o planeta no século XXII, em 2135. Ou seja, é muito remota a possibilidade de que esse seja o astro responsável pelo fim do mundo, como alguns o têm chamado. Mas a colisão, pouco possível, é uma das razões por que a agência espacial americana — Nasa — vai enviar a sonda OSIRIS-Rex, no início de setembro, até ele. É a primeira missão espacial rumo a um asteroide para colher amostras.

asteroide-bennu2Descoberto pelos cientistas em 1999, Bennu nasceu de uma violenta colisão entre asteroides e testemunhou o surgimento do sistema solar, há aproximadamente 4,6 bilhões de anos. Por isso, os astrônomos acreditam que ele possa oferecer algumas respostas para questões centrais sobre a Terra (de onde viemos e para onde vamos). A missão partirá no dia 8 de setembro do Cabo Canaveral, na Flórida. Deverá chegar ao asteroide em 2018. Voltará cinco anos depois carregada de informações sobre o corpo celeste. As grandes dimensões e composição do asteroide, junto com a órbita perigosa, fizeram com que ele fosse escolhido como o alvo da nova missão.

A Nasa acredita que, daqui a 150 anos, existam chances mínimas de, ao passar entre a Terra e a Lua, o asteroide possa ter sua rota alterada graças à força exercida por ambos os corpos e, assim, ser empurrado em direção ao nosso planeta. O choque teria a potência de oitenta mil bombas de Hiroshima. Mas também há chances de que ele seja enviado para longe da Terra devido à interação com os planetas do sistema solar e seus satélites. A missão poderá fornecer pistas de como encarar o problema de forma objetiva. A missão OSIRIS-Rex também ajudará os cientistas a desenvolverem estratégias para evitar um possível impacto do asteroide com o nosso planeta no futuro. O asteroide é regularmente observado pela Rede de Espaço Profundo (antenas internacionais). O observatório fez um estudo dinâmico dos possíveis impactos de corpos celestes com a terra que vai até 2199.


 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados