Riquezas Brasil

06/03/2019 — Em 2018, o Produto Interno Bruto do Brasil cresceu 1,1% frente a 2017, após alta de 1,1% em 2017 e retrações de 3,5% em 2015 e de 3,3% em 2016. Foram registradas altas na nos setores da Agropecuária (0,1%), na Indústria (0,6%) e nos Serviços (1,3%). O PIB brasileiro totalizou no ano passado R$ 6,8 trilhões. O PIB per capita variou 0,3% em termos reais, alcançando R$ 32.747,00 em 2018. A taxa de investimento no ano passado marcou 15,8% de todas as riquezas produzidas no país, acima do observado em 2017 (15,0%). A taxa de poupança, por sua vez, cresceu 14,5% . Em 2017 tinha registrado 14,3%. Na agropecuária, o desempenho das lavouras de café foi destacado na pesquisa publicada pelo IBGE. Nos serviços, sobressaíram-se as atividades imobiliárias.

Pnad Contínua
01/02/2019 — A taxa de desocupação (11,6%) no trimestre móvel encerrado em dezembro de 2018 caiu 0,3% em relação ao trimestre julho-setembro de 2018 (11,9%). Em relação ao mesmo trimestre de 2017 (11,8%), o quadro é de estabilidade. Já a taxa média anual recuou 0,4%, de 12,7% em 2017 para 12,3% em 2018. A população desocupada (12,2 milhões) caiu 2,4% (menos 297 mil pessoas) frente ao trimestre julho-setembro de 2018. No confronto com igual trimestre de 2017, houve estabilidade. A população ocupada (93,0 milhões) aumentou 0,4% (mais 381 mil pessoas) em relação ao trimestre julho-setembro de 2018 e 1,0% (894 mil pessoas) em relação a igual trimestre de 2017. O ano de 2018 (91,9 milhões) teve alta de 1,3% na média deste contingente em relação à de 2017 (90,6 milhões).

O número de empregados no setor privado com carteira assinada (exclusive trabalhadores domésticos) foi de 33,0 milhões de pessoas, ficando estável em ambas as comparações. Já o número de empregados sem carteira assinada (11,5 milhões) subiu 3,8% (mais 427 mil pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2017, permanecendo estável em relação ao trimestre anterior. O número de trabalhadores por conta própria (23,8 milhões) subiu 1,5% em relação ao trimestre anterior (mais 352 mil pessoas) e 2,8% em relação ao mesmo trimestre de 2017 (mais 650 mil pessoas). O número de empregadores (4,5 milhões de pessoas) ficou estável em ambas as comparações. A categoria dos trabalhadores domésticos (6,3 milhões de pessoas) ficou estável em ambas as comparações. O rendimento médio real habitual do trabalhador brasileiro (R$ 2.254,00) ficou estável em ambas as comparações.

Safra 2019
13/12/2018 — No segundo prognóstico para a safra 2019, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas foi estimada em 231,1 milhões de toneladas, 1,7% acima da safra de 2018, enquanto a área a ser colhida é de 62,0 milhões de hectares, 1,9% maior que na atual safra. Esse crescimento se deve, principalmente, às maiores estimativas da produção do milho (86,9 milhões de toneladas em 16,9 milhões de hectares) e do caroço de algodão (3,1 milhões de toneladas). Houve declínio das estimativas de produção para a soja (117,7 milhões de toneladas em 35,4 milhões de hectares), do arroz (11,2 milhões de toneladas em 1,7 milhão de hectares) e do feijão (2,9 milhões de toneladas em três milhões de hectares). Os dados são do IBGE.


 

 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados