Caixa & Lucro

23/02/2020 — A Caixa Econômica Federal divulgou relatório contábil em que aponta um lucro líquido de R$ 21,1 bilhões em 2019. O crescimento é de impressionantes 103% na comparação com o resultado de 2018, quando o lucro líquido ficou em R$ 10,3 bilhões. Segundo o banco, a evolução na margem financeira (13,5%) e a redução das despesas de provisão para créditos de liquidação duvidosa (27,9%) foram os principais influenciadores do desempenho financeiro no ano passado. O resultado também foi fortemente influenciado por R$ 15,5 bilhões decorrente de vendas de ativos. Só com a venda de ações que detinha na Petrobras o banco faturou R$ 7,3 bilhões. A Caixa é uma empresa com 100% do capital pertencentes ao Governo Federal. Fechou 2019 com mais três mil agências.

3.º Trimestre
19/11/2019 — A Caixa Econômica Federal obteve lucro líquido contábil de R$ 8,026 bilhões no terceiro trimestre de 2019, alta de 66,7% na comparação com o mesmo período do ano passado. O lucro recorrente marcou R$ 4,224 bilhões, queda de 14,2%, segundo o balanço apresentado. O resultado bruto da intermediação financeira (o que o banco ganha com empréstimos) totalizou R$ 16,1 bilhões, alta de 58,1% em relação ao terceiro trimestre do ano passado. As despesas com provisões para devedores duvidosos (fundo formado para cobrir possíveis perdas) ficaram em R$ 2,933 bilhões, com alta de 8,2%. As despesas administrativas caíram 7,7% (R$ 2,786 bilhões). A receita de prestação de serviços ficou em R$ 6,980 bilhões, redução de 1,8% na comparação anual.

2.º Trimestre
03/09/2019 — A Caixa Econômica Federal obteve lucro líquido contábil de R$ 4,212 bilhões no segundo trimestre, número que representa alta de 7,4% na comparação com o mesmo período do ano passado (R$ 3,464 bilhões). Já o lucro recorrente aumentou três por cento, subindo para R$ 3,704 bilhõesNo primeiro semestre, o banco público atingiu lucro líquido contábil de R$ 8,1 bilhões, o que corresponde a um avanço de 22,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. O resultado contábil veio principalmente do crescimento da margem financeira, a qual totalizou R$ 14,1 bilhões, alta de 12,4% em relação ao segundo trimestre do ano passado. As despesas com provisões para devedores duvidosos, no entanto, subiram 1,7%, para R$ 3,397 bilhões. A queda de 6,2% nas despesas administrativas, de R$ 2,799 bilhões, também contribuiu para o resultado.

1.º Trimestre
28/06/2019 — A Caixa Econômica Federal reportou lucro líquido contábil de R$ 3,92 bilhões no primeiro trimestre de 2019, alta de 22,9% em relação ao mesmo período de 2018. Esse desempenho impulsionou-se pela queda nas provisões com perdas em empréstimos e pelo aumento das receitas com tarifas. Já o lucro líquido recorrente (que desconsidera efeitos extraordinários) registrou R$ 3,87 bilhões no período mencionado, alta de 5,8% na comparação anual. De acordo com o balanço, as despesas com provisão para créditos de liquidação duvidosa totalizaram R$ 2,8 bilhões, redução de 24,4% em doze meses. Já as receitas com prestação de serviços avançaram 2,3%, totalizando R$ 6,5 bilhões no trimestre. A Caixa é uma empresa com 100% do capital do Governo Federal.

pedro guimaraes2Habitação
05/09/2019 — Os mutuários da Caixa Econômica Federal vão contrair financiamentos para a casa própria com juros menores. O banco anunciou a redução dos juros do crédito imobiliário, igualando as taxas do Sistema Financeiro da Habitação e do Sistema Financeiro Imobiliário para as operações contratadas a partir da segunda-feira (10). A taxa mais alta cobrada pelo banco caiu de 11% ao ano mais a Taxa Referencial, atualmente em zero, para 9,75% ao ano mais a TR. A taxa mais baixa, paga pelos correntistas ou quem tem algum tipo de relacionamento com o banco, passou de 8,75% ao ano mais TR para 8,5% ao ano mais TR. A Caixa concentra cerca de 70% do crédito imobiliário no país.

Caixa Federal
Foi criada em 12 de janeiro de 1861 pelo imperador Dom Pedro II com o nome Caixa Econômica da Corte. O propósito era incentivar a poupança e conceder empréstimos sob penhor, com a garantia do governo imperial. Esta característica diferenciava a instituição de outras da época, pois estas agiam no mercado sem dar segurança aos depositantes ou cobravam juros excessivos dos devedores. Deste modo, o novo órgão rapidamente passou a ser procurado pelas camadas sociais mais populares, incluindo os escravos, os quais podiam economizar para suas cartas de alforria. Assim, desde o início, a empresa estabeleceu o seu foco n a atividade social. Hoje em dia, é o maior banco público da América Latina, focado também em grandes operações comerciais. Para o governo, centraliza operações como o FGTS, o PIS, o Bolsa Família e o Seguro-Desemprego. Além disso, é o banco de maior peso no financiamento de moradias populares.


 

 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados