Pnad Contínua
ibge pnad1

29/09/2017 — A taxa de desemprego do Brasil recuou, no trimestre encerrado em agosto, mais do que esperavam os analistas. Igualou a melhor marca do ano ao chegar a 12,6%. O resultado, porém, ainda está sendo impulsionado principalmente pelo aumento do emprego informal. O dado informado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística marcou a quinta queda seguida na taxa, que voltou ao nível visto em janeiro. Também ficou abaixo da expectativa dos analistas, na mediana das previsões. Nos três meses até julho, a taxa havia sido de 12,8%. A expectativa do IBGE é que se vai fechar 2017 com mais emprego. Há um processo de recuperação em curso, segundo o órgão.

Essa reação tem a ver com os sinais da economia, com a amenização da crise política e com os fatores que afetam a sensibilidade do apetite dos investidores, diz o relatório. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua mostra que o número de desempregados no Brasil está, agora, agora em 13,1 milhões, contra 13,3 milhões nos três meses até julho. A população ocupada, por sua vez, atingiu 91,061 milhões de pessoas no período, acima dos 90,677 milhões registrados no trimestre até julho. O resultado, entretanto, teve, como pano de fundo, um aumento de 5,4% do emprego no setor privado sem carteira assinada, em relação ao trimestre finalizado em agosto de 2016, enquanto que, com carteira, houve queda de 2,2%.

O IBGE informou ainda que o rendimento médio real do trabalhador atingiu R$ 2.105,00 no trimestre até agosto, sobre R$ 2.111,00 nos três meses até julho, e R$ 2.066,00 no mesmo período do ano anterior. O Brasil vem engatando um processo de recuperação econômica em meio a juros e inflação baixos, que ajudam no comércio. Em agosto, o país teve criação líquida de 35.457 vagas formais de emprego, segundo o Ministério do Trabalho, quinto resultado consecutivo no azul, puxado pelo setor de serviços. Mesmo com a retomada do emprego, a informalidade lidera ante os contratos com carteira, o que indica que a confiança dos empregadores na economia ainda enfrenta um longo processo de recuperação.


 

 


© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados