paulo-h-amorim2Injúria Racial

13/06/2018 — Foi finalizada no Supremo Tribunal Federal uma ação penal em que era réu o Paulo Henrique Amorim, da TV Record. A Primeira Turma da corte manteve a condenação do jornalista e apresentador pelo crime de injúria racial, cometido contra o jornalista Heraldo Pereira, da TV Globo. Em 2009, em seu site “Conversa Afiada”, Amorim escreveu que não entendia o sucesso do Heraldo: “Ele não conseguiu revelar nenhum atributo além de ser negro e de origem humilde”. Acrescentou que o profissional da Globo era “um negro de alma branca”. Na primeira instância, no Tribunal de Justiça de São Paulo e no Superior Tribunal de Justiça, a injúria racial foi reconhecida. Agora, com a decisão final do STF, Amorim está sujeito a uma pena restritiva de um ano e oito meses em regime aberto e multa civil.

paulo-henrique-amorim2Paulo Henrique Amorim
Paulo Henrique dos Santos Amorim nasceu no dia 22 de fevereiro de 1942, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de jornalista, o primeiro emprego foi no jornal A Noite. Pouco mais à frente, foi contratado pela Editora Abril para o cargo de repórter internacional da revista Veja. Depois, assumiu o cargo de correspondente da TV Globo em Nova York (EUA). Cobriu grandes eventos internacionais, com destaque para a eclosão do vírus ebola (1975), a eleição do presidente Bill Clinton (1993) e a guerra civil de Ruanda (1994). Em 1996, retornou ao Brasil para apresentar o “Jornal da Band”, na TV Bandeirantes. Por discordâncias com a emissora, transferiu-se, no mesmo ano, para a TV Cultura. Em 2003, foi para a TV Record para apresentar o “Domingo Espetacular”.

Matéria Ofensiva
A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a condenação do jornalista Paulo Henrique Amorim (Record) ao pagamento de indenização ao jornalista Lasier Costa Martins pela publicação de matéria jornalística ofensiva em seu blog na internet. O texto considerado difamatório foi escrito por terceiro, mas reproduzido no blog Conversa Afiada, voltado ao jornalismo político. Em primeira instância, Amorim foi condenado a pagar trinta salários mínimos por danos morais. A sentença foi mantida pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS), sob o fundamento de que o controlador do site é responsável pela informação divulgada, se esta causar danos a terceiros. No recurso especial, o autor do blog sustentou que as expressões tidas como ofensivas não foram proferidas por ele. Suas alegações, porém, não foram aceitas pelo STJ.


 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados