banner-topo

O Nome da Rosa

o-nome-da-rosaO Nome Da Rosa

16/07/2011 — A obra-prima da literatura mundial O Nome da Rosa será reescrita pelo seu autor, o italiano Umberto Eco. A informação foi divulgada pelo jornal La Republica. O escritor explicou que quer tornar o romance, que lhe alçou à fama mundial, “mais acessível a novos leitores”. Ele vai deixar mais leves algumas passagens e refrescará a linguagem de sua obra — um thriller medieval ambientado no século XIV, fruto de seu amor declarado pelo medievalismo. Foi traduzido para cerca de 50 idiomas e é apontado pela crítica com um dos livros fundamentais do século XX. A Bompiani, editora dos livros de Umberto Eco, que publicou originalmente o romance em 1980, fez o relançamento na Itália em 2011.

A trama retrata um episódio, passado durante a Idade Média, no qual o riso era considerado, pela igreja, um pecado. O enredo gira em torno das investigações de uma série de crimes misteriosos, cometidos dentro de uma abadia medieval. Com ares de Sherlock Holmes, o investigador, o frade franciscano William de Baskerville, assessorado pelo noviço Adso de Melk, vai a fundo em suas investigações, apesar da resistência de alguns dos religiosos do local, até que desvenda que as causas do crime estavam ligadas à manutenção de uma biblioteca que mantém em segredo obras apócrifas. Essas obras não seriam aceitas em consenso pela igreja cristã da época. A aventura do personagem central uma aventura quase quixotesca. Em 1999, a obra foi colocada na posição 14 na lista das 100 maiores do século XX, elaborara pelo jornal francês Le Monde.

O livro original foi adaptado para o cinema em 1986 pelo diretor francês Jean-Jacques Annaud. Nos papéis principais, foram escalados Sean Connery e Christian Slater. Connery faz o monge William de Bakersville, que investiga uma série de mortes misteriosas ocorridas num mosteiro, e Slater interpreta Adso de Melk, um gaiato que entra na história como seu protegido. Embora não tenha tido uma carreira boa nos cinemas, com a distribuição nas mídias alternativas, o filme virou “cult”.



© 2013 Tio Oda - Todos os direitos reservados