meu-pe p1Meu Pé de Laranja Lima
linha-gif

Estreou em 100 salas de cinema do Brasil o novo filme baseado no romance do escritor carioca (nascido em Bangu) José Mauro de Vasconcelos, escrito em 1968. A obra atravessou fronteiras internacionais, foi traduzida em trinta e dois idiomas e virou até história em quadrinnos na Coreia do Sul. O garoto João Guilherme Ávila, filho do cantor sertanejo Leonardo, faz o protagonista Zezé, o menino que conversa com sua árvore de estimação e encontra na natureza dessa relação a atenção que não tinha no seio de uma família miseravelmente pobre.

O livro foi um dos mais lidos pela criançada do princípio dos anos 1970. O texto era comparado frequentemente a outros três romances muito recomendados na escola. O autor brasileiro conseguiu estabelecer uma paridade de interesse de leitura com obras de fôlego como “O Pequeno Príncipe”, de Antoine de Saint-Exupery, “Fernão Capelo Gaivota”, de Richard Bach, e “O Menino do Dedo Verde”, de Maurice Druon. A temática como uma ode romanceada de amor à natureza, presente nos três livros estrangeiros e em Meu Pé de Laranja Lima, já era uma abordagem experimentada pelo autor seis anos antes, no poético “Rosinha Minha Canoa”.

O Brasil estava em clima de conquista da Copa do Mundo, no México, quando o livro ganhou versões para cinema e para a televisão. Haroldo Botta encarnou o pequeno protagonista na trama de Ivani Ribeiro, exibida na saudosa TV Tupi a partir de setembro de 1970. Até mais do que a novela, em que pese o volume da audiência, o filme produzido pelo famoso estúdio Herbert Richers, fez o país inteiro lacrimar com a história do garotinho pobre que superava suas angústias e a miséria familiar conversando com uma árvore. Nos álbuns de figurinhas daqueles anos, principalmente da série “Cirandinha” e outros com ídolos da televisão, as imagens de Meu Pé de Laranja Lima eram cultuadas pela meninada, tanto as do filme quanto as da novela. O próprio livro foi um sucesso.

meu-pe in1Dez anos depois, já em 1980, a obra foi novamente adaptada para a televisão, e mais uma vez com a dramaturga paulista Ivani Ribeiro responsável pelo roteiro. O Zezé da TV Bandeirantes foi o jovem ator Alexandre Raymundo, em seu primeiro trabalho. Em 1998, a mesma TV Bandeirantes, já abreviada para Band, exibiu nova versão do romance com texto da carioca Ana Maria Mortetzsohn, uma cria dos núcleos noveleiros da TV Globo. O menino Caio Romei interpretou o imortal Zezé.

No mais novo remake cinematográfico, que promete repetir a popularidade histórica da obra, tem produção de Kátia Machado, roteiro de Marcos Bernstein (também é diretor) e Melanie Dimantas. Foi filmado em Cataguases (MG). No longa-metragem, que levou dez anos para ser concebido, o ator global e militante petista José de Abreu interpreta o rabugento e ao mesmo tempo bondoso Manuel Valadares, o Portuga, melhor amigo do garoto Zezé e sua maior referência lúdica. O papel já foi de Aurélio Teixeira, no filme de 1970, de Claudio Corrêa e Castro na novela do mesmo ano, de Dionísio Azevedo em 1980 e de Gianfrancesco Guarnieri em 1998. Menos dotado artisticamente do que todos eles, Zé de Abreu tem recebido bons elogios da crítica.

 

 


© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados