Imprimir
Categoria: Reis Britânicos
Acessos: 109

ricardo coracao1Ricardo I

RICARDO CORAÇÃO DE LEÃO nasceu no dia oito de setembro de 1157, na cidade de Oxford, Inglaterra. Morreu no dia seis de abril de 1199, aos 42 anos, na cidade de Châlus, França. Escolhido rei no dia seis de julho de 1189, corou-se no dia três de setembro do mesmo ano. Terceiro filho do rei Henrique II Plantageneta e da rainha Leonor da Aquitânia, com 12 anos foi prometido em casamento à Alícia, filha do rei francês Luís VII. Assim, tornou-se duque da Aquitânia. Com 16 anos, promoveu uma rebelião contra o pai, sendo derrotado. Um ano depois, obteve o perdão real, passando a se dedicar à administração do seu ducado.

Mas não deixou de promover lutas, ora aliando-se ao pai contra os irmãos ora aos irmãos contra o pai. Demonstrou tão grande energia ao combater vassalos rebeldes e inimigos externos que o pai, temeroso, o convidou a renunciar ao ducado. Então, buscou a amizade do Filipe II, rei da França. Com a ajuda deste, moveu guerra contra o pai, que morreu no conflito junto com dois filhos. Foi, assim, escolhido rei inglês em 1189. Na época, organizava-se a terceira cruzada para a reconquista da cidade de Jerusalém, em poder dos turcos. Tornou-se um dos principais chefes da expedição. Em 1190, embarcou para combater os turcos. Na viagem, aliou-se ao Tancredo, rei da Sicília e se casou com a filha do rei Sancho VI, de Navarra.

Os cruzados conquistaram a Ilha de Chipre e a cidade de Arca. Depois disso, o Ricardo tornou-se o comandante absoluto das tropas, dando nova configuração à campanha militar. Fortificou a base de operações ao longo do litoral e travou a Batalha de Assouf em 1192. Mas não conseguiu a simpatia das tropas. Apesar disso, porém, conseguiu tomar a cidade de Jafa em 1192. Em vista do fracasso das duas investidas feitas contra Jerusalém, da insatisfação da tropa e da saúde precária, firmou uma trégua de três anos com o chefe muçulmano Saladino, estabelecendo que aos cristãos caberiam as cidades costeiras e o direito de visitar o Santo Sepulcro. Ainda em 1192, embarcou para a Inglaterra, mas uma tempestade no Mar Adriático o reteve. Viajando por terra, disfarçado, acabou sendo preso em Viena, nos domínios do rei Leopoldo da Áustria.

Libertou-se um ano depois, mediante o pagamento de um resgate. Quando finalmente chegou à Inglaterra, o irmão João Sem Terra ameaçou tomar-lhe o trono. Empreendeu, assim, violenta ofensiva contra o irmão, recuperando as terras que estavam no poder dele. Ao mesmo tempo, moveu luta contra o rei francês Filipe Augusto até 1196, quando assinou um tratado de paz. Conseguiu ainda a união dos condes da Bretanha, dos Flandres e de Tolouse contra o Filipe. Também conseguiu eleger o sobrinho Oto de Brunswick como rei da Alemanha. Preparava um plano grandioso, o qual exigia imensos recursos, quando soube que nas terras do visconde de Limoges, seu vassalo, fora encontrado enorme tesouro. Decidiu tomar o tesouro pelas armas. Mas, durante o cerco ao castelo, foi ferido por uma flecha, o que lhe casou a morte. Episódios da vida do Ricardo Coração de Leão inspiraram diversos autores, ente os quais o romancista Walter Scott, com as novelas “Ivanhoé” e “O Talismã”.