Emprego Franca
26/03/2019 — A Secretaria Nacional do Trabalho disponibilizou nesta terça-feira (26) os dados relativos ao emprego formal nos municípios brasileiros. Em Franca, os 21.811 estabelecimentos registrados comunicaram a contratação de 4.945 e a demissão de 2.868 trabalhadores no mês de fevereiro. Do confronto dos registros feitos no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, restou o saldo positivo de 2.077 vagas criadas no segundo mês do ano. Embora o número seja 26,6% maior na comparação com janeiro (1.640 vagas), no confronto com fevereiro do ano passado (2.227 vagas) houve queda de 6,74%. No acumulado de janeiro e fevereiro, Franca criou 3.717 novos postos de trabalho, segundo os dados do CAGED. No mesmo período de 2018 foram 4.726, representando, assim, queda de 21,3% de um período para o outro.

Calçados
Os números do CAGED informam que as 2.454 indústrias calçadistas registradas na Secretaria Nacional do Trabalho criaram, em fevereiro de 2019, 1.502 novos postos de trabalho. Esse saldo é decorrente do confronto entre as 1.936 admissões e as 436 demissões acontecidas no segundo mês do ano. Em fevereiro de 2018, o saldo das calçadistas foi 1.644 novas vagas. Houve, então, queda de 8,64% no nível do emprego no setor de um ano para o outro. Ainda em fevereiro, todos os grandes setores, em Franca, apresentaram saldo positivo, com exceção da agropecuária, que fechou 73 postos de trabalho. O setor de serviços, depois dos calçados, foi o que mais contratou: 362 novas vagas. Na sequência vêm o comércio, com 88, e a construção civil, com 59.

JANEIRO
+ 1.640
FEVEREIRO
+ 2.077
TOTAL
+ 3.717

Em 2018
28/01/2019 — A empresas de Franca fecharam 2018 com um déficit de 245 vagas no emprego formal. No ano passado, os 21.737 estabelecimentos formalizados no Ministério do Trabalho contrataram 43.161 trabalhadores e demitiram 43.406, gerando aquele saldo negativo, segundo os registros feitos no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. O CAGED informa que todos os grandes setores, menos o calçadista, terminaram o ano com saldo positivo, com destaque para o setor de serviços, com saldo de 1.364 novas vagas, seguido pelo setor comercial, com 538 novos empregos formais. A construção civil, com saldo positivo de oito vagas, e a agropecuária, com três, permaneceram estáveis em relação a 2017. O grande impacto negativo foi a indústria de calçados. O setor contratou 12.537 trabalhadores, mas demitiu 14.676, gerando o saldo negativo de 2.139 vagas fechadas em 2018.  O último saldo anual positivo das calçadistas aconteceu em 2013: 876 novas vagas.

Serviços Vs. Calçados
O setor de serviços, no emprego formal, cresceu 4,98% em 2018. Segundo os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados da Secretaria Nacional do Trabalho, a cidade fechou o mês de dezembro com 28.758 empregados formais no setor, contra os 27.394 registrados no dia 31 de dezembro de 2017, ganhando mais 1.364 vagas. Por seu lado, o setor calçadista  amargou o fechamento de 2.139 postos de trabalho, terminando 2018 com 14.750 trabalhadores formalizados. Esse número é 12,6% menor do que o existente em 31 de dezembro de 2017, 16.889 empregados com carteira assinada. A liderança na criação de empregos nos setor de serviços veio dos estabelecimentos de ensino. O sub-setor educacacional contratou 483 trabalhadores a mais em 2018. O segundo lugar pertence ao sub-setor de administração de imóveis, com 294 vagas, seguido do sub-setor de hotelaria e alimentação, com 238 novas vagas.

    Emprego Setores 2018
    SETORES     ADMISSÕES     DEMISSÕES     SALDO
    SERVIÇOS     12.340     10.976     1.364
    COMÉRCIO     10.892     10.354     538
    INDÚSTRIA GERAL     4.163     4.153     10
    CONSTRUÇÃO CIVIL     1.872     1.864     8
    AGROPECUÁRIA     1.198     1.195     3
    EXTRATIVISMO MINERAL     7     5     2
    INDÚSTRIA UTILIDADE PÚBLICA     30     32     -2
    ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA     122     151     -29
    INDÚSTRIA CALÇADOS     12.537     14.676     -2.139
                       

 


 

 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados