Emprego

26/08/2019 — No mês de julho de 2019, as empresas de Franca contrataram 2.948 trabalhadores e demitiram 3.342, restando o saldo negativo de 394 vagas de trabalho fechadas no período. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados da Secretaria Nacional do Trabalho. O maior impacto veio da agropecuária. O setor, sozinho, fechou 329 vagas. A análise indica que isso ocorreu por causa da finalização da colheita do café. Assim, o bom desempenho do comércio, com 159 novas vagas criadas no mês sete, não pôde compensar o rombo da agropecuária e das indústrias calçadistas. Estas demitiram e não recontrataram 140 trabalhadores. No acumulado do ano, porém, o emprego formal em Franca registra saldo positivo de 4.632 vagas, decorrentes de 24.254 admissões no confronto com 19.622 demissões registradas no Caged.

O saldo dos primeiros sete meses de 2019 é treze por cento menor do o registrado no mesmo período de 2018: 5.325 vagas. No geral, em 2019, as calçadistas, embora estejam passando por uma crise, lideram o emprego formal em Franca com saldo de três mil novas vagas com carteira assinada. O movimento no setor indicou a contratação de 8.656 trabalhadores contra 5.656 desligamentos. Esse movimento é menor do que o registrado nos primeiros sete meses do ano passado. Em 2018 foram 9.578 contratações e 6.934 demissões, com saldo positivo de 2.647 novas vagas. No acumulado, o segundo lugar no emprego formal na cidade pertence ao setor de serviços, com a criação de 527 novas vagas com carteira assinada. A medalha de bronze está com o comércio, com 252 novos postos de trabalho. A seguir, vem a administração pública (83), a construção civil (79) e agropecuária (69).

TOTAIS 2019

CALÇADOS  + 3.000  VAGAS
SERVIÇOS  + 527 VAGAS
COMÉRCIO  + 252 VAGAS
INDÚSTRIA + 241VAGAS
AGROPECUÁRIA  + 69 VAGAS
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA  + 83 VAGAS
CONSTRUÇÃO CIVIL  + 72 VAGAS
EXTRATIVISMO  + 2 VAGAS
SERVIÇOS DE UTILIDADE PÚBLICA  - 8 VAGAS


 

 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados