Produto Interno

30/08/2019 — O Produto Interno Bruto do Brasil cresceu 0,4% no segundo trimestre na comparação com os três primeiros meses do ano. A divulgação foi feita pelo IBGE. Em valores correntes, o PIB brasileiro totalizou, no segundo trimestre de 2019, R$ 1,780 trilhão. O resultado, embora reforce a leitura fraqueza da economia, veio um pouco acima do esperado pelo mercado, afastando o risco de uma recessão técnica. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir o vai e vem da economia. A alta no segundo trimestre foi puxada, principalmente, pelos ganhos da indústria (0,7%) e dos serviços (0,3%). A agropecuária caiu 0,4%. Pela ótica da despesa, a taxa de investimentos avançou 3,2% e o consumo das famílias cresceu 0,3%. O consumo do Governo Federal recuou 1%. No primeiro trimestre (janeiro-março) o PIB tinha registrado queda de -0,2%.

ldo1Orçamento
09/08/2019 — A Comissão Mista de Orçamento aprovou o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2020. O texto ainda precisa ser aprovado em sessão conjunta do Congresso Nacional antes de seguir para a sanção do presidente Jair Bolsonaro. O texto prevê que o Salário Mínimo deva ser reajustado para R$ 1.040,00 em 2020, sem ganho acima da inflação. O aumento nominal será de 4,2% na comparação com o valor atual, de R$ 998,00. A variação é a mesma prevista para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor. Para os dois anos seguintes, a proposta sugere que a correção também siga apenas a variação do INPC. O projeto da LDO também um déficit primário para 2020, no valor de R$ 124,1 bilhões para o governo central (Tesouro, Previdência e Banco Central).

Arrecadação
24/07/2019 — A arrecadação de impostos, contribuições e demais receitas federais registrou alta real (descontada a inflação) de 1,80% no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado. Em junho, essa arrecadação chegou a R$ 757,595 bilhões, informou nesta terça-feira (23) a Secretaria da Receita Federal. Corrigido pela inflação, o valor somou R$ 763,321 bilhões. Nos seis primeiros meses de 2018, a arrecadação federal totalizou R$ 749,858 bilhões. De acordo com os dados, esse também foi o melhor resultado para o primeiro semestre de um ano desde 2014, quando o resultado ficou em R$ 773,496 bilhões. Contando somente junho, a arrecadação federal marcou total R$ 119,946 bilhões, crescimento real de 8,20% sobre o mesmo mês do ano passado.

contas1Contas Federais
24/07/2019 — O governo central, formado pelo Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social, registrou um déficit primário de R$ 11,48 bilhões. O resultado veio melhor do que a projeção de um déficit de R$ 14,85 bilhões, projetado antes pelo mercado. No acumulado do primeiro semestre, o déficit é de R$ 28,92 bilhões  e, em doze meses, de R$ 119,7 bilhões. Para 2019, a meta aponta para um rombo de R$ 139 bilhões. O maior impacto para o resultado negativo entre janeiro e julho veio da Previdência Social, que arrecadou R$ 73,4 bilhões menos do que arrecadou. Em contraste, o Tesouro Nacional e o Banco Central apresentaram superávit de R$ 22 bilhões. As reformas em andamento objetivam o equilíbrio dessas contas.

oleo diesel1Combustíveis
30/05/2019 — As vendas de combustíveis no Brasil somaram 44,76 bilhões de litros no primeiro quadrimestre, aumento de 2,1% na comparação com o mesmo período de 2018. A informação é da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. A comercialização do diesel, o combustível mais vendido no país, somou 17,98 bilhões de litros nos primeiros quatro meses do ano, aumento de 1,6% na comparação anual. Já as vendas da gasolina C atingiram cerca de 12,4 bilhões de litros no período mencionado, queda de 8,4% na comparação anual. As vendas de etanol hidratado, concorrente da gasolina, subiram 35,6% no primeiro quadrimestre, chegando a 7,16 bilhões de litros.

Dívidas
28/05/2019 — Clientes da Caixa Econômica Federal com dívidas com o banco podem renegociar as pendências pela internet. O banco lançou o site www.negociardividas.caixa.gov.br, no qual é possível fazer a negociação. Os descontos vão de 40% a 90% para a quitação. O mutirão mira clientes pessoas física e jurídica com contas atrasadas há mais de 360 dias. Segundo a Caixa, a ação chamada “Você no Azul” deverá atingir cerca de três milhões de clientes na situação de inadimplência. Do total, 2,6 milhões são pessoas físicas. Desse total, 92% podem quitar as dívidas à vista por valores de até dois mil reais. Das 320 mil pessoas jurídicas, 65% têm possibilidade de quitar as pendências por menos de cinco mil reais. O banco prevê a recuperação de cerca de quatro bilhões de reais.

receita federal leao4Imposto de renda
02/05/2019 — Encerrado o prazo de entrega da declaração de Imposto de Renda das Pessoas Físicas 2019, os sistemas da Receita Federal registraram 30.677.080 declarações até às 23h59m59s da terça-feira (30).  Quem não entregou a declaração dentro do prazo, poderá fazê-lo a partir desta quinta-feira (02), mas sujeito ao pagamento da multa mínima de R$ 165,74 e máxima de vinte por cento do imposto devido. Quem entregou a declaração, mas com dados incompletos, poderá fazer uma retificadora, sem a incidência da multa. O prazo para a retificadora termina em cinco anos, desde que a declaração de origem não esteja sob processo de fiscalização. As restituições para quem tiver direito serão pagas, por lotes, entre junho e dezembro.


 

 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados