imagem1Balança

03/01/2020 — O Brasil registrou em 2019 superávit comercial (diferença entre exportações e importações) de US$ 46 bilhões. O resultado é 20,5% inferior ao apurado no ano passado, US$ 58 bilhões, e representa o menor desempenho desde 2015, quando o saldo marcou U$S 19,5 bilhões. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pela Secretaria de Comércio Exterior do Governo Federal. Entre janeiro e novembro de 2019, as exportações somaram US$ 239,26 bilhões, queda de 7,5%, pela média diária, em relação ao ano anterior (2018). No acumulado do ano passado, as importações somaram US$ 177,34 bilhões, queda de 3,3% sobre as compras internacionais em 2018. A soma das importações e das exportações alcançou a cifra de US$ 401,3 bilhões em 2019.

Orçamento
17/12/2019 — O Congresso Nacional aprovou o orçamento federal para 2020. As receitas totais estão estimadas em R$ 3,687 trilhões. As despesas fixadas somam R$ 2,770 trilhões, já líquidas do refinanciamento da dívida pública, previsto em R$ 917 bilhões. O texto aprovado prevê ainda que a estimativa da inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), deverá ficar em 3,53% no ano que vem. A meta da taxa de juros (Selic) foi fixada em 4,40%. O câmbio médio projetado é de R$ 4,00 por dólar. Espera-se ainda um crescimento de 2,32% no Produto Interno Bruto. O valor do fundo eleitoral para as campanhas de prefeitos e vereadores foi fixado em R$ 2,034 bilhões.

receita federal leao4Arrecadação
13/12/2019 — A arrecadação total das Receitas Federais atingiu em novembro R$ 125,2 bilhões, registrando acréscimo real (descontada a inflação) de 1,48% em relação a novembro de 2018. De janeiro a novembro de 2019, a arrecadação totalizou R$ 1,389 trilhão, com acréscimo real de 1,88% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Esse valor, corrigido pela inflação, chegou a R$ 1,404 trilhão, o maior volume desde 2014 (R$ 1,431 trilhão). Segundo a Receita Federal, o resultado de 2019 pode ser explicado pelo desempenho da atividade econômica, pela arrecadação dos parcelamentos de dívidas e pela reorganização societária de empresa, com reflexo que na arrecadação do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido.

Juros
11/12/2019 — Pela quarta vez seguida, o Banco Central reduziu os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária baixou a Taxa Selic para 4,5% ao ano, com corte de 0,5 %. A decisão era esperada pelos analistas financeiros. Com a decisão, o indicador está no menor nível da série histórica iniciada em 1986. De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir a Selic até que a ela chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018, voltando a ser reduzida em outubro deste ano. A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo.

escolas militares1Militares
21/11/2019 — Em portaria publicada no Diário Oficial da União, o Ministério da Educação regulamenta a instalação de 54 escolas cívico-militares no Brasil em 2020, com caráter de “modalidade piloto”. O governo tem o plano de instalar o projeto em 216 escolas até 2023. As unidades escolhidas ainda não foram divulgadas. O plano prevê a atuação de militares na gestão de colégios públicos já existentes. No mês de setembro, todos os estados foram chamados para indicar duas escolas à primeira etapa do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares. A seleção das escolas dará preferência para aquelas com alunos em situação de vulnerabilidade social e aquelas que estejam mal no Índice Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica.

seguro desemprego3Desemprego
12/11/2019 — O Governo Federal anunciou a criação de uma contribuição previdenciária de 7,5% sobre o seguro-desemprego. O objetivo é bancar a desoneração da folha de pagamento em programa voltado para a contratação de jovens. Esse programa visa impulsionar a geração de novos postos de trabalho no país. O programa, batizado de “Verde-Amarelo”, terá duração limitada, mas a contribuição previdenciária será permanente. As medidas constam de Medida Provisória anunciada pelo Ministério da Economia. De acordo com o texto, o período de gozo do Seguro-Desemprego será contado como tempo de contribuição para a aposentadoria. A medida dará uma economia de R$ 10 bilhões  em cinco anos. As receitas com a contribuição ficará em torno de R$ 11,5 bilhões.

PIB Brasil
30/08/2019 — O Produto Interno Bruto do Brasil cresceu 0,4% no segundo trimestre na comparação com os três primeiros meses do ano. A divulgação foi feita pelo IBGE. Em valores correntes, o PIB brasileiro totalizou, no segundo trimestre de 2019, R$ 1,780 trilhão. O resultado, embora reforce a leitura fraqueza da economia, veio um pouco acima do esperado pelo mercado, afastando o risco de uma recessão técnica. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir o vai e vem da economia. A alta no segundo trimestre foi puxada, principalmente, pelos ganhos da indústria (0,7%) e dos serviços (0,3%). A agropecuária caiu 0,4%. Pela ótica da despesa, a taxa de investimentos avançou 3,2% e o consumo das famílias cresceu 0,3%. O consumo do Governo Federal recuou 1%. No primeiro trimestre (janeiro-março) o PIB tinha registrado queda de -0,2%.


 

 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados