Frota

29/06/2020 — A frota nacional de veículos cresceu 3,39% em maio de 2020, no comparativo com maio de 2019. Adicionaram-se, no período de doze meses, mais 3,466 milhões de veículos aos números. Agora, são 105,8 milhões de veículos em circulação, enquanto que, em maio de 2019, eram 102,3 milhões. Os dados são do Departamento Nacional de Trânsito. No Estado de São Paulo, no mesmo período, registraram-se mais 781,7 mil veículos à frota, crescimento de 2,65% em relação a 2019. A frota estadual tem, agora, 30,3 milhões de veículos. Em maio de 2019 eram 29,5 milhões. No que tange à cidade de Franca, o crescimento da frota marca 2,41%. Os dados de maio deste ano indicam uma frota local de 272,2 mil veículos. Em maio do ano passado eram 265,8 mil.

receita federal leãoArrecadação
24/06/2020 — A arrecadação de impostos, contribuições e demais receitas federais registrou queda real (descontada a inflação) de 32,92% em maio de 2020, informou a Secretaria da Receita Federal. No mês passado, a arrecadação somou R$ 77,4 bilhões. Em maio de 2019 foram R$ 113,3 bilhões. Os dados demonstram que o resultado foi o pior para meses de maio desde 2005, quando a arrecadação somou R$ 76,2 bilhões. Os valores corrigiram-se pela inflação. O resultado de maio reflete os efeitos da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, pois, com as atividades em queda, o recolhimento de tributos também cai. No acumulado dos cinco meses deste ano, a arrecadação somou R$ 579,7 bilhões, queda real de 11,93% frente ao mesmo período do ano passado.

PIB
05/06/2020 — O Produto Interno Bruto apresentou retração de 1,5% no primeiro trimestre de 2020 quando comparado ao quarto trimestre de 2019, na série com ajuste sazonal. Na comparação com igual período do ano passado, o PIB teve variação negativa de 0,3%. No acumulado nos quatro trimestres terminados em março de 2020, registrou-se aumento de 0,9% na comparação com os quatro trimestres imediatamente anteriores. Em valores correntes, o PIB totalizou no primeiro trimestre de 2020 R$ 1,803 trilhão, sendo R$ 1,538 trilhão referente ao valor adicionado a preços básicos e R$ 265,0 bilhões referentes aos impostos sobre produtos líquidos de subsídios. Por setores, somente a agropecuária cresceu: 0,6%. Os serviços tiveram queda de 1,6% e a indústria caiu 1,4%.

anabolizantes1Remédios
03/06/2020 — O Governo Federal autorizou a indústria farmacêutica a reajustar, no geral, em até 5,21% o preço dos remédios. Esse reajuste, autorizado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos, foi dividido em três faixas. Os ditos 5,21% serão aplicados aos medicamentos com alta concorrência no mercado. Outro reajuste, de 4,22%, foi autorizado para os medicamentos com concentração moderada. Na terceira faixa, o reajuste é de 3,23%. Alcança os remédios com pouca concorrência. De acordo com o Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos, o reajuste médio das três faixas, é de 4,08%. O aumento de agora deveria ter sido autorizado para vigorar a partir do dia 1.º de abril, mas o Governo Federal resolveu adiar a medida para o dia 1.º de junho.

Microempresas
20/05/2020 — O presidente Jair Bolsonaro sancionou, com vetos, a lei que cria linha de crédito para auxiliar as micro e pequenas empresas durante a crise do novo coronavírus. O ato foi publicado no Diário Oficial da União. A lei estabelece o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. O dinheiro poderá ser usado para pagar salários dos funcionários, para capital de giro e outras despesas comuns ao negócio. O projeto proíbe o uso dos recursos para distribuição de lucros e dividendos entre os sócios do negócio. Nas contas do Governo Federal, o projeto vai conceder R$ 15,9 bilhões em créditos. O Bolsonaro, porém, vetou o período de oito meses de carência para o início dos pagamentos. Clique AQUI para ver a íntegra da lei.

salário minimo1Mínimo
16/04/2020 — O Governo Federal propôs um salário mínimo de R$ 1.079 para 2021, segundo projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias, divulgado pelo Ministério da Economia. O valor é R$ 34,00 maior do que o atual, de R$ 1.045,00. O reajuste, se aprovado pelo Congresso Nacional, entrará em vigor em janeiro de 2021, com pagamento a partir de fevereiro. Nas estatísticas oficiais, o salário mínimo serve de referência para quarenta e nove milhões de trabalhadores no Brasil. Para os anos seguintes (Plano Plurianual), o governo propôs um salário mínimo de R$ 1.120,00 em 2022 e de R$ 1.160,00 em 2023. Esses valores poderão ser alterados posteriormente. De acordo com a lei, o mínimo deve ser corrigido pelo INPC do ano anterior.


 

 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados