dedo-de-moca1O Detalhe É a Ardência

07/08/2015 — Consumir alimentos apimentados, três a sete vezes por semana, pode reduzir em 14% o risco de morrer. É o que diz um estudo publicado no periódico científico British Medical Journal. Os pesquisadores analisaram o estado de saúde e a ingestão de alimentos por 500 mil pessoas. Os participantes com histórico de câncer e doenças cardiovasculares foram excluídos da análise. Os efeitos da pimenta são atribuídos aos seus componentes ativos, como a capsaicina, substância que dá a sensação de ardência. O composto possui ação anti-inflamatória e propriedades analgésicas. Não foi revelado o tipo mais benéfico de pimenta, mas o condimento fresco pode ser mais saudável.

pimenta-bode1Pimenta é o nome comum dado a várias plantas, seus frutos e condimentos deles obtidos, de sabor geralmente picante. Porém, este termo tem acepções diferentes nos vários países lusófonos. No Brasil, o termo refere-se tanto às espécies de Capsicum como as de Piper e Pimenta. Os componentes mais característicos encontrados exclusivamente nas pimentas são alcaloides denominados capsaicinoides, responsáveis pela ardência que produzem quando entram em contato com as células nervosas da boca e das mucosas. São divididas em duas categorias: capsaicina e piperina. A primeira é encontrada nas nervuras do fruto das pimentas vermelhas. Age provocando uma surpreendente aceleração do metabolismo no local.

meninaspimentaIsso faz com que os vasos capilares sejam dilatados, propiciando o aumento do fluxo sanguíneo. Propicia também um substancial aumento do fluxo de nutrientes e de oxigênio à área atingida e, além disso, estimula as ramificações nervosas, elevando a capacidade dos sistemas imunológico e anti-inflamatório e melhorando a capacidade de cicatrização e a ação bacteriológica. Já a piperina é muito concentrada na pimenta-do-reino, mas também está presente nas sementes de diversas espécies de pimentas hortícolas. Essas duas substâncias isoladas não possuem qualquer cheiro ou sabor, apesar do ardor que ambas provocam. A piperina produz ardência através da ação causticante, queimando as células superficiais da mucosa atingida.

Na ação metabólica, a capsaicina ou a piperina estimula os receptores sensíveis existentes na língua e na boca. Ao serem atingidos quimicamente por tais substâncias, esses receptores nervosos transmitem ao cérebro uma mensagem informando que a sua boca estaria sofrendo queimaduras. Imediatamente, o cérebro gera uma resposta ordenando ações no sentido de salvá-lo do suposto fogo. Com isso, vários agentes entram em cena para refrescá-lo: a pessoa começa a salivar, sua face transpira e seu nariz fica úmido. Além disso, embora a pimenta não tenha provocado nenhum dano físico real, seu cérebro, enganado pela informação de que sua boca estaria pegando fogo, começa a fabricar endorfinas que permanecem por um bom tempo no seu organismo, provocando uma sensação de bem-estar.


 

 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados