jose-genoino 20160730aJosé Genoíno

27/07/2016 — O Tribunal Regional Federal da 1.ª Região confirmou a decisão de primeira instância que condenou o ex-deputado José Genoino (PT-SP), o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares, o empresário Marcos Valério e outros quatro ex-dirigentes do banco BMG por envolvimento num esquema de lavagem de dinheiro. O processo é um braço do mensalão. Os autos tramitavam na justiça de Minas Gerais desde 2006. Na denúncia, o Ministério Público Federal afirmou que a liberação de recursos pelo BMG ao PT se deu de maneira irregular. A pena do Genoíno foi reduzida de quatro para dois anos, 10 meses e 20 dias, a ser cumprida em regime aberto. A ele, presidente do PT na época, é atribuído o crime de falsidade ideológica consistente em simular empréstimos para camuflar dinheiro ilegal para o partido.

jose-genoino 20160730bJosé Genoino Guimarães Neto
Nasceu no dia 03 de maio de 1946, na cidade de Quixeramobim, Estado do Ceará. Embora tenha nascido no nordeste, fez toda a sua trajetória política no Estado de São Paulo. Até os 13 anos, ficou na sua região natal, onde ajudava o pai a cuidar da roça. Depois, mudou-se para a cidade de Senador Pompeu, no seu estado, para estudar. Em 1964, mudou-se para Fortaleza, onde passou a trabalhar na IBM. Dois anos mais tarde, filiou-se ao Partido Comunista do Brasil (PC do B), iniciando, assim, a carreira política.

Em seguida, mudou-se para São Paulo, onde viveu na clandestinidade por causa da decretação do Ato Institucional N.º 5. Em 1972, foi capturado pelo exército, numa operação realizada na região do Rio Araguaia, no Estado de Goiás. Teria sido liberado dois anos mais tarde por ter indicado os nomes dos líderes comunistas resistentes ao regime militar. Com outros participantes da luta armada, foi anistiado em 1979. Participou da criação do Partido dos Trabalhadores (PT), pelo qual foi eleito deputado federal em 1982. Chegou a se candidatar ao governo paulista em 2002, mas foi derrotado. No mesmo ano, foi eleito presidente do partido. Em 2013, por causa da condenação do processo do mensalão, renunciou ao cargo de deputado federal.

Pedido De Aposentadoria
18/02/2014 — Às vésperas de o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, decidir se determina ou não o retorno do ex-deputado José Genoino para a Penitenciária da Papuda, o petista sofreu um novo revés. A junta médica da Câmara dos Deputados realizou mais uma bateria de exames no mensaleiro e concluiu que ele não deve ser beneficiado com a aposentadoria por invalidez. De acordo com o laudo, baseado em exames realizados na última semana, ele não é portador de cardiopatia grave e, por isso, não teria direito a receber os vencimentos na íntegra (R$ 26.700,00). Atualmente, ele recebe cerca de 20.000 reais de aposentadoria por tempo de serviço. As conclusões dos médicos ainda podem ser revistas, mas foi a segunda resposta negativa ao pedido de aposentadoria por invalidez.

Renuncia ao mandato
04/12/2013 — O deputado licenciado José Genoíno (PT-SP), quadrilheiro do mensalão, apresentou a carta de renúncia do seu mandato parlamentar. A comunicação foi feita um pouco antes da decisão final sobre a abertura ou não do processo de cassação de seu mandato, determinada pelo Supremo Tribunal Federal. A votação sobre o processo já havia iniciada, mas foi encerrada quando estava em quatro a dois a favor, em decorrência da apresentação do pedido de renúncia. O ato de Genoíno não é um ato moral. Ele, na verdade, quer salvar um outro processo que corre na Câmara Federal: aquele em que ele pede aposentadoria por invalidez no valor de cerca de R$ 25 mil mensais.

Supremo mantém pena
29/08/2013 — O deputado federal José Genoíno (PT-SP) vai mesmo para a cadeia e, em decorrência, perder o mandato. O Supremo Tribunal Federal rejeitou todos os recursos impetrados por seus advogados. Assim, fica mantida a pena de seis anos e onze meses de prisão e multa de R$ 468 mil. O parlamentar foi um dos artífices do mensalão e foi condenado por corrupção ativa e por formação de quadrilha. Até o momento, foram julgados dezessete dos vinte e cinco recursos impetrados.


 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados