Imprimir
Categoria: Mitos Gregos
Acessos: 556

ana perena1Ana Perena

ANA PERENA presidia o curso do ano e o retorno perpétuo dele ao ponto inicial. Também era considerada uma deusa da abundância e do alimento. Na principal tradição, é apresentada como a irmã da rainha Dido. Acompanhou a irmã na fuga para a África e a assistiu nos últimos momentos. Após a morte da rainha, refugiou-se para junto do herói Eneias, que já estava na região do Lácio, na Itália. Com isso, despertou o ciúme da Lavínia, esposa do herói, que planejou matá-la. Prevenida em sonho pela irmã, fugiu e se precipitou no Rio Numício, sendo, então, transformada em ninfa.

A festa da Ana Perena caía nos idos de março (dia 15), que marcavam a primeira lua cheia do ano no antigo calendário romano lunar, quando março era o primeiro mês do ano. Era celebrada no bosque da deusa na primeira pedra milhar da Via Flamínia. Dela participavam muitos plebeus da cidade. O historiador Macróbio descreve que as oferendas feitas a ela eram para pedir um bom ano do início ao fim. Também João Laurêncio Lido, escritor de origem grega, com obras sobre temas de arqueologia, assevera que as orações e os sacrifícios públicos eram oferecidos para assegurar um ano próspero. Por sua vez, o poeta Ovídio conta que, nas festas, os rapazes se deitavam ao lado das moças com pedidos de vida longa e próspera.

Ovídio conta, ainda, que a Ana Perena era a mesma que aparece na obra “Eneida”, do Virgílio, como irmã da Dido, rainha de Cartago. Depois que a Dido morreu tragicamente, a cidade foi atacada pelos númidas. Ana se viu, então, na contingência de fugir. Embarcou num navio e se refugiou inicialmente em Malta, sob a proteção do rei Bato, para não cair nas mãos de seu irmão Pigmalião. Obrigada novamente a se lançar ao mar, naufragou nas costas do Lácio, na Itália, onde foi recebida carinhosamente pelo Eneias. A sua estada, porém, despertou os ciúmes da Lavínia, que arquitetou um plano contra ela. Dido lhe apareceu em sonho e a aconselhou a deixar a casa do anfitrião. Temendo pela vida, fugiu apressadamente durante a noite e caiu nas águas do Rio Númicio. Tornou-se, então, uma ninfa do rio. Os habitantes da região começaram logo a celebrá-la com festas ao ar livre.