Imprimir
Categoria: Mitos Católicos
Acessos: 1789

joana-angelica in1JOANA ANGÉLICA DE JESUS nasceu no dia 12 de dezembro de 1762 e faleceu no dia 19 de fevereiro de 1822, na cidade de Salvador, Bahia.

 

Em 1783, foi ordenada no Convento Nossa Senhora da Conceição da Lapa. Em 1814, foi eleita abadessa do convento por três anos. Voltou ao cargo em 1820. Antes de virar abadessa, foi escrivã, mestra de noviças, conselheira e vigária. Em fevereiro de 1822, havia lutas entre os partidários dos portugueses, que queriam manter o Brasil como colônia, e entre os que queriam a independência.

Quando se tentava a formação de uma junta militar para o governo da província, surgiram escaramuças próximas à residência do líder dos brasileiros, brigadeiro Manuel Pedro de Freitas Guimarães.Os portugueses prenderam o líder e passaram a fazer arruaças pela cidade. Dirigiram-se ao Convento da Lapa e arrombaram as suas portas. Quando invadiram a clausura, a abadessa tentou impedi-los. Foi abatida por golpes de baioneta, morrendo duas horas depois em sua cela. Foi sepultada no próprio convento.

Considerada heroína, passou a ser reverenciada pelo povo baiano como mártir da independência do Brasil. Os líderes espíritas acrreditam que a abadessa brasileira teria sido uma reencarnação de Joanna de Ângelis. De acordo com a ciência espírita, Joanna de Ângelis teria reencarnado quatro vezes: (1) Joana de Cusa, na época de Jesus Cristo; 2) nome ainda desconhecido, Itália, na época de São Francisco de Assis; 3) sóror Juana Inez de la Cruz, México, século XVII; e (4) sóror Joana Angélica, Brasil, século XIX. A tese é defendida pelo médium Divaldo Pereira Franco no livro A Veneranda Joanna de Ângelis.