capaPlayboy — Maio de 1986

Em maio de 1986 já estava tudo preparado para a realização da Copa do Mundo do México. A Playboy, então, colocou o seu time em campo no ensaio “Em Campo, a Seleção Playboy da Copa!”. A chamada de capa coube à madrinha da seleção brasileira, a sul-mato-grossense Luíza Brunet. Para as páginas internas foram escaladas a turca de pernas fortes Sumer Ilken, a francesinha Nathalie Galan, a holandesa Chantal Aarts, a japonesa Emi Kojo, a canadense (representando os Estados Unidos) Andrea Huber, a argentina Evelyn Escalante, a mexicana Belén Balmori, e a alemã Michaela Probst.

marcia-dornellesNa “Doce Vida da Playboy”, a celebração foi para a modelo Márcia Dornelles. Ela tinha sido capa na edição de novembro de 1985 e acabou se tornando uma celebridade: participou do videoclipe do Lulu Santos, passou a ser jurada do Chacrinha e ainda posou com a lingerie da grife DeMillus. Na música, foram apresentadas resenhas dos discos “Black Codes”, do trompetista americano Wynton Marsalis; “Revanche”, do roqueiro Lobão; “And We Danced”, da banda The Hooters; e “Soaring Thrrough a Dream”, do Al di Meola. No cinema, uma crítica do Ivan Isola sobre o filme “Entre Dois Amores”, que teve a direção do Sidney Polack, com a Meryl Streep e o Robert Redford nos papéis centrais.

Na literatura, destaque para o lançamento do livro “A Noite dos Generais”, do José Meirelles. O autor retomou o tema do livro “Pedaços de Morte No Coração”, do Flávio Koutzii, que foi prisioneiro político na Argentina. É uma reunião de várias histórias de crimes praticados a mando dos militares naquele país. Também é apresentado o livro “A Empresa Flexível”, do Alvin Toffler. Trata-se de uma história importante para aqueles que pretendem sobreviver nos negócios. Baseia-se no relatório encomendado ao autor pela empresa norte-americana AT&T. Também tem “As Crônicas da Guerra Na Itália”, do Rubem Braga. A nova edição foi ampliada por textos recentes. Da Rússia, vinha o “A Defesa”, do Vladimir Nabokov, além do “Horizontes de Eventos”, do Jorge Luiz Calife.

mario-vargas-llozaNa tradicional entrevista, uma conversa franca com o grande escritor peruano Mário Vargas Lloza. Os assuntos giraram sobre o livro que ele estava escrevendo, sua possível temporada no Brasil, sexo, política e liberdade. Disse o peruano sobre o colega Gabriel García Marques: “Creio que, politicamente, García Marques não é de forma alguma o bom escritor que é de literatura. Suas atitudes políticas são oportunistas, e ele tampouco é uma pessoa que me parece muito respeitável.” Já sobre o brasileiro Jorge Amado, disse: “Meu amigo Jorge Amado é um grande gozador da vida, carinhoso, afetuoso, disposto a ajudar. Uma esplêndida pessoa vital!

robert-k-jarvikA reportagem especial escrita pelo jornalista José Antônio Pinheiro Machado focou os bastidores de uma história policial em que o repórter Mauro Eugênio, do Correio Braziliense, morreu porque trocou de lado. Segundo o texto, a morte do repórter foi uma chance caída do céu para o jornal parecer o Washington Post caboclo. Na segunda reportagem, de autoria do Laurence Gonzales, a abordagem foi sobre o médico americano Robert K. Jarvik, no peito do qual batia um coração de empresário de sucesso e, sobretudo, de um cientista fantástico, capaz de criar um pênis artificial apenas para agradar a namorada. Uma terceira reportagem tratou de uma novidade, então: a antena parabólica.

eunice-marques2eunice-marques1No ensaio sensual internacional apareceu a modelo espanhola Maria Escamilla. A morena da Andaluzia realizou uma antiga fantasia de luta e de dança viril da faena, do suave jogo da verónica, num sonho da Espanha e do México. Quando o fotógrafo Denys de Francesco a convidou para ensaio sobre tourada, logo os dois embarcaram numa viagem do escritor García Lorca e da ensolarada terra natal. As imagens se sucedem em evocações. A começar pelo nome da modelo: “Escamilla”. Escamilla da Andaluzia ou de Jalisco. Terras em que o calor é imenso, mas é maior ainda no sangue dos seus homens e das suas mulheres. Escamilla, fogo e paixão. No ensaio nacional, a presença da mato-grossense Eunice Marques, que chamou a atenção da revista por ter feito um seguro milionário dos seios.

charge1A Piada Da Edição
Casa cheia, noite após noite, como show. Era fantástico: o sujeito tinha uma ereção em pleno palco. Aproximava-se de Jack, um jacaré. O animal escancarava a mandíbula e ele colocava o falo ereto entre elas. A música parava. Ele dava uma cutelada no pescoço do jacaré. As enormes mandíbulas da fera, com dentes afiados, se fechavam, mas paravam a um ou dois centímetros do pênis. A casa explodia em aplausos. E ele sempre lançava o desafio:

— Jackie, o jacaré, não falha. Quem se aventura a subir aqui e tentar?

Ninguém se oferecia. Até a noite em que uma elegante senhora, quase nos 60, se levantou e subiu ao palco, deixando a plateia estupefata.

— Olha aqui meu rapaz
— disse ela, já no palco.  — Eu vou tentar, mas vê se manera naquela porrada no meu pescoço, viu?

samelloPatrocinadores Da Edição
Almadén
(vinhos) — Bavardage (moda masculina) — Black & White (uísque) — Brahma (cerveja) — Bravox (alto-falantes) — Bube (moda) — Chanceler 100 (cigarros) — Classic (moda masculina) — Diners Club (cartão de crédito) — Donnay (raquetes de tênis) — Ellus (moda masculina) — Fiat Elba (carro) — Ford SR 87 (camionete) — Gucci (moda masculina) — Jeaneration (jeans) — John Player Special (cigarros) — Mesbla (varejo) — Mitsubishi (televisores) — Monizac (cuecas) — Neutrox 1 (creme capilar) — O Boticário (colônia masculina) — Olympicos (tênis) — Panda (tênis) — Ray Ban (óculos) — Rodhia (moda masculina) — Samello/Timberland (calçados) — Samira (moda masculina) — Sândalo (calçados) — Seiko (relógios) — Semp Toshiba (televisores) — Sony (betamax) — Traveller (camisas) — Tretorn (bolas de tênis) — Triumph (moda esportiva) — Vespa PX (motoneta) — Volkswagen Santana Quantum (carro) — Zeppelin (calçados).



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados