Camisinha & Aids

Entediada após vários dias de férias na fazenda, a jovem liberada decide se divertir um pouco seduzindo o filho adolescente do capataz, Chiquinho, e o amiguinho dele, Juca. Depois do almoço, a ninfeta leva os dois para o celeiro, despe-se vagarosamente ante os dois incrédulos rapazotes. Quando os vê em ponto de bala, oferece a cada um uma camisinha.

— “Hoje em dia meninos, quem faz o que nós vamos fazer tem de usar isso para não pegar uma doença chamada Aids” — explica ela toda moderninha e bem informada. Horas mais tarde, depois do jantar, os dois garotos estão na varanda, ainda pensando na aventura da tarde. Até que o Chiquinho diz: — “Quer saber de uma coisa, Juca? Se pegar Aids, paciência, mas vou arrancar essa tal da camisinha porque não aguento mais de vontade de mijar”.

Recebimento do Dízimo

Um padre católico, um pastor protestante e um rabino trocam experiências sobre a melhor maneira de cuidar dos seus rebanhos e das suas obras sociais. Em dado momento, a conversa se volta para a administração da coleta. O padre explica o seu método: — “Depois da coleta eu faço um círculo no chão e jogo o dinheiro para cima. O que cai dentro do círculo fica para as obras sociais. O que cai fora fica para o meu uso”.

O pastor, então, passa a explicar o sistema dele: — “Faço quase o mesmo, com uma diferença. O que cai dentro do círculo fica para mim e o que cai fora é para Deus”. O rabino pede a palavra: — “No meu caso, faço quase igual. Só não uso o sistema do círculo. Como vocês, jogo o dinheiro pra cima. O que Deus segurar fica com ele. O que cair vai pro meu bolso”.

Salto do Marinheiro

Na aula de natação, o marinheiro recém-engajado não consegue juntar coragem para saltar de um trampolim de dez metros de altura. — “Vamos marujo!” — grita lá de baixo o sargento. — “E se o navio estivesse naufragando?” O marinheiro de primeira viagem responde: — “Eu esperaria ele afundar uns oito metros antes de saltar...

Médico Anestesista

Ainda na cama do motel, enquanto o parceiro recém-conhecido numa festa se prepara para pedir a conta, a gatinha arrisca um palpite: — “Você é médico, acertei?” — “Puxa, como advinhou?” — admira-se ele. E ela: — “Intuição feminina. E deve ser anestesista, não?” O rapaz se espanta mais ainda: — “Não é possível! Como descobriu?” Ela responde: — “Porque não senti absolutamente nada a noite toda!


 

 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados