Imprimir
Categoria: Reis Portugueses
Acessos: 2646

sebastiao-i portugalSEBASTIÃO I DE PORTUGAL nasceu no dia 20 de janeiro de 1554, na cidade de Lisboa. Morreu no dia 4 de agosto de 1578, na localidade de Alcáter Quibir, Marrocos.

Foi o décimo sexto rei de Portugal e o penúltimo da Dinastia de Avis, acunhado pelos seus súditos de “O Desejado”. Assumiu o trono no dia 11 de junho de 1557. Era filho do infante João de Bragança e neto do rei Dom João III, a quem sucedeu aos três anos de idade, sob a tutela da avó, Catarina da Áustria, e, depois, sob a de seu tio-avô, o cardeal Dom Henrique. Com 14 anos assumiu virtualmente o poder e, liberto da influência dos tutores, nomeou novos ministros e passou a dar mostras de seu temperamento místico e ascético.

Apaixonado pela caça e pelos exercícios militares, sonhava com a conquista da África e com as lutas contra os mouros. Para isso, lançou impostos, recrutou gente e realizou uma expedição infrutífera ao Marrocos, em 1774. Acolheu, então, as pretensões do príncipe Mulei Hamed, que solicitara sua ajuda contra o xerife Abd al-Malick. Concebeu novas aventuras, tentando, sem êxito, numa entrevista em Guadalupe, uma  aliança com Filipe II, rei da Espanha e seu tio por parte de mãe. Em 1758, partiu para o Algarve e, dali, para a África, à frente de uma armada de 500 barcos, com 17 mil soldados.

Pretendia entrar em combate pessoal com o xerife Abd al-Malick e se negava a aceitar sugestões dos conselheiros militares. Enfrentou os mouros na planície de Aslcáter Quibir, onde os portugueses foram esmagados. Morreu em combate, mas seu corpo não foi encontrado. Seu desaparecimento deu motivo a intensa manifestação mística, habilmente insuflada por políticos portugueses, tendo à frente os jesuítas. Pregava-se que um dia ele regressaria triunfalmente para salvar seu povo de todos os males. O movimento, de caráter messiânico, durou séculos esse estendeu às colônias portuguesas, o Brasil incluído. Sua vida foi contada no livro O Desejado — A Fascinante História de Dom Sebastião, de autoria do historiador baiano Aydano Roriz, lançado em 2002.