poupança cofre1Poupança

07/08/2019 — Os saques da poupança superaram os depósitos em julho. A retirada líquida chegou a R$ 1,605 bilhão, informou o Banco Central. Esse foi o primeiro resultado negativo para meses de julho desde 2016 (R$ 1,115 bilhão) e a maior retirada líquida para o mês desde 2015 (R$ 2,453 bilhões). No mês passado, foram aplicados R$ 213,004 bilhões, contra a retirada de R$ 214,609 bilhões. Os rendimentos creditados nas contas de poupança somaram R$ 3,020 bilhões. O saldo da poupança nos bancos ficou em R$ 802,063 bilhões.

No acumulado de sete meses do ano, a poupança apresenta retirada líquida de R$ 16,104 bilhões. Em 2019, apenas nos meses de março (R$ 1,852 bilhão) e junho (R$ 2,497 bilhões) houve captação líquida, com mais depósitos do que saques. Pela legislação em vigor, o rendimento da poupança é calculado pela soma da Taxa Referencial, definida pelo Banco Central, mais 0,5% ao mês, sempre quando a taxa básica de juros, a Selic, está acima de 8,5% ao ano. Quando essa taxa está igual ou inferior a 8,5% ao ano, como ocorre atualmente, a remuneração da poupança passa a ser a soma da TR com 70% da Selic. Atualmente a taxa básica está em seu menor nível histórico: 6% ao ano.

confrinho rosa1Junho
10/07/2019 — O Banco Central informou que, em junho, os depósitos da caderneta de poupança superaram os saques em R$ 2,497 bilhões. Nos seis primeiros meses deste ano, a poupança acumula, ao todo, resultado negativo, com os saques superando os depósitos em R$ 14,5 bilhões. Junho foi o segundo mês do ano em que os depósitos superaram os saques. No outro mês de resultado positivo, março, os depósitos superaram os saques em R$ 1,852 bilhão. Os dados do Banco Central ainda informam que o estoque dos valores depositados, representando o volume total aplicado na poupança, registrou aumento no mês passado. Em maio, esse saldo estava em R$ 795,2 bilhões. Em junho, passou para R$ 800,6 bilhões. Os rendimentos da aplicação somaram R$ 2,989 bilhões.

Maio
13/06/2019 — O Banco Central do Brasil divulgou os dados relativos ao desempenho da Caderneta de Poupança em maio de 2019. Segundo o banco, os saques superaram os depósitos em R$ 718 milhões. No acumulado dos primeiros cinco meses do ano, essa diferença negativa já está em R$ 16,9 bilhões. Apesar disso, o relatório informa que o volume aplicado cresceu no mês passado. Em relação aos rendimentos, a caderneta creditou para os poupadores R$ 2,987 bilhões. Com referência ao saldo geral dos depósitos, o BC diz que ele está R$ 795,2 bilhões, crescimento quase imperceptível de 0,290% no comparativo com o mês de abril, de R$ 792,9 bilhões. Com a queda dos juros básicos da economia até março de 2018 e a manutenção Taxa Selic em 6,5% ao ano, a caderneta de poupança passou a render menos. Daí, a fuga dos depósitos para outros tipos de investimento.

poupanca saco1Abril
17/05/2019 — Após realizarem mais depósitos do que saques em março, os brasileiros voltaram a retirar dinheiro da Caderneta de Poupança em abril. Dados do Banco Central mostram que, no mês passado, R$ 2,877 bilhões líquidos saíram da aplicação. A captação líquida ficou em R$ 1,237 bilhão. Considerando os rendimentos de R$ 2,978 bilhões no mês passado, o saldo global da Caderneta de Poupança chegou aos R$ 792,9 bilhões. No acumulado de 2019, as retiradas líquidas somaram R$ 16,3 bilhões. O montante é resultado dos saques no valor de R$ 776,6 bilhões contra os depósitos de R$ 760,3 bilhões. Pelas regras, a poupança é remunerada pela Taxa Referencial mais a taxa fixa de 0,5% por mês quando a Selic estiver abaixo dos 8,5% ao ano.

Março
16/04/2019 — Os depósitos na Caderneta de Poupança superaram os saques em R$ 1,853 bilhão em março, segundo dados divulgados pelo Banco Central. É o primeiro mês de saldo positivo após duas perdas em janeiro (-R$ 11,2 bilhões) e fevereiro (-R$ 4,021 bilhões). Na comparação com março de 2018, quando o saldo foi de R$ 3,978 bilhões, houve queda de 53,4%. No mês passado, os depósitos superaram os saques em R$ 1,567 bilhão poupança comum Na poupança rural houve entrada de R$ 285,43 milhões. No primeiro trimestre de 2019, o investimento acumulou retiradas de R$ 13,4 bilhões, bem maior do que as saídas, de R$ 1,932 bilhão, registrada no mesmo período de 2018. Considerando os rendimentos de R$ 3,003 bilhões em março, o saldo total da caderneta chegou aos R$ 792,8 bilhões. No fim de 2018, esse saldo estava em R$ 797,3 bilhões.

poupança cofre1Fevereiro
10/03/2019 — Depois dos saques registrados em janeiro, os brasileiros voltaram a recorrer à caderneta de poupança para fechar as contas. Dados do Banco Central demonstram que, em fevereiro, R$ 4,021 bilhões líquidos saíram do investimento. Foi o segundo mês consecutivo de saques maiores que depósitos. Também foi o pior resultado para a caderneta em um mês de fevereiro desde 2016, quando foram retirados R$ 6,639 bilhões. Os saques líquidos registrados no mês passado ainda refletem, em grande parte, a necessidade de recursos para o pagamento de despesas com impostos, a exemplo do IPTU e do IPVA, além de matrículas e material escolar. Foram R$ 186,017 bilhões em saques em fevereiro, enquanto os depósitos somaram R$ 181,996 bilhões.

Janeiro
11/02/2018 — As retiradas de recursos da Caderneta de Poupança superaram os depósitos em R$ 11,232 bilhões em janeiro deste ano, informou o Banco Central do Brasil. Este foi o quinto ano seguido com saída líquida de recursos da poupança e a maior retirada em meses de janeiro desde 2016. Com a saída líquida de recursos na poupança, o estoque dos valores depositados registrou queda no começo deste ano. No fim de dezembro de 2018, o saldo estava em R$ 797,281 bilhões. Já em janeiro deste ano, o estoque total de recursos aplicados na poupança somou R$ 788,988 bilhões. Além dos depósitos e das retiradas, os rendimentos creditados nas contas dos poupadores também são contabilizados no estoque da poupança. Em janeiro, os rendimentos somaram R$ 2,939 bilhões.

CADERNETAS DE POUPANÇA — Foram concebidas pelo imperador Dom Pedro II em 1861 com o decreto que instituiu e regulou a Caixa Econômica Federal. Tinha na época o objetivo único de remunerar depósitos com juros de 6% ao ano com a garantia do governo imperial. Essa modalidade de investimento era destinada às pessoas de baixa renda e permitia depósitos de até 50 mil réis. Em 1874, o rendimento da caderneta de poupança foi alterado através de um novo decreto. Pela nova norma, ficou estabelecido que as taxas de juros remuneratórios nunca seriam superiores a 6% ao ano e que seus valores seriam fixados anualmente pelo governo imperial.

Em 2012, a legislação brasileira determinou que os depósitos na caderneta de poupança realizados até 3 de maio daquele ano continuassem recebendo remuneração adicional de 0,5% ao mês (além da remuneração básica). Os depósitos realizados a partir de 4 de maio de 2012 (a então nova poupança), passaram a receber remuneração adicional variável de acordo com a meta estabelecida pelo Sistema Especial de Liquidação e de Custódia, mais conhecido como Taxa Selic. Com essas alterações, a rentabilidade adicional da caderneta de poupança passou a ficar sujeita às variações da referida taxa, mas mantendo-se limitada a 0,5% ao mês durante períodos de altas taxas de juros. Por isso, segundo os economistas, quanto menor for a Selic melhor será o investimento na caderneta de poupança.


 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados