transportesServiços

15/04/2019 — Em fevereiro de 2019, o volume de serviços no Brasil teve variação negativa (-0,4%) frente ao mês anterior, janeiro. Com isso, o setor acumula nos dois primeiros meses do ano uma perda de 0,9%, eliminando a expansão observada em dezembro de 2018 (0,8%). No confronto com fevereiro de 2018, o volume de serviços cresceu 3,8%, sétima taxa positiva seguida nesse tipo de comparação e o resultado mais elevado desde fevereiro de 2014 (7,0%). Os dados são da pesquisa mensal do IBGE, que mede a evolução dos principais setores da economia. Cinco das atividades de serviços, no período mencionado, apresentaram percentuais negativos. A maior pressão veio dos transportes, com queda de 2,60%. Nas atividades positivas, os serviços de informação e comunicação cresceram 0,80%.

administracao de imoveis1Emprego

No emprego formal, o setor de serviços foi muito bem em fevereiro, segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados da Secretaria Nacional do Trabalho. Os 8,214 milhões de estabelecimentos registrados contrataram, no mês dois, 642.633 trabalhadores e demitiram 530.211, gerando o saldo positivo de 112.412 novas vagas. No acumulado do bimestre, o saldo foi de 155.861 novos postos de trabalho, representando um acréscimo de 38,6% sobre o mesmo período de 2018. O saldo do primeiro bimestre do ano passado registrou 112.464 novas vagas. Para o saldo de 2019, o Estado de São Paulo contribuiu com 58.715 novas vagas, sendo 37,7% do total do país. A cidade de Franca criou 602 novas vagas, sendo 1,02% do total do estado e 0,39% do total do país.

Em 2018

19/02/2019 — Em dezembro de 2018, o volume do setor de serviços variou 0,2% frente ao mês anterior, mantendo o quadro de estabilidade verificado em outubro (0,1%) e novembro (0,0%). Na série, frente a dezembro de 2017, o volume de serviços variou -0,2%, interrompendo uma série de quatro taxas positivas seguidas nessa comparação. O acumulado no ano foi de -0,1%, o quarto ano seguido de retração, com perda de 11,1% nesse período. Os dados são da pesquisa mensal do IBGE, feita para mensurar o desempenho dos setores da economia. Entre as atividades pesquisadas, o impacto negativo mais relevante, na comparação com dezembro de 2017, veio dos serviços administrativos e complementares, com queda de 4,2%. O maior impacto positivo, crescimento de 1,6%, foi registrado pelos serviços de informação e comunicação, especialmente os relacionados a provedores e conteúdos para a internet.

Empregos 2018

21/01/2019 — Em 2018, segundo os dados do Ministério do Trabalho, o setor de serviços contratou 6.271.743 trabalhadores e demitiu 5.931.060, gerando o saldo positivo de 340.683 novas vagas. Em 2017, o saldo ficou no vermelho, com o fechamento de 16.402 vagas. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. Segundo o CAGED, no ano passado, todos os sub-setores criaram novas vagas. O destaque vai para o sub-setor do “comércio e administração de imóveis”, com a abertura de 149.738 novos postos de trabalho, representando 43,9% do total. Em segundo lugar aparece o sub-setor dos “serviços médicos, odontológicos e veterinários”, com 82.320 novas vagas. Seguem-se os sub-setores dos “serviços de alojamento e alimentação” (45.645), dos “transportes e comunicações” (28.949), do “ensino” (26.751) e das “insituições de crédito, seguros e capitalização” (7.280).


 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados