Imprimir
Categoria: Serviços
Acessos: 7284

restaurantes1Serviços

14/08/2020 — Em junho de 2020, o volume de serviços no Brasil cresceu 5,0% frente a maio, na série com ajuste sazonal, após quatro meses de taxas negativas seguidas, quando acumulou perdas de 19,5%. Na série sem ajuste sazonal, no confronto com junho de 2019, o movimento do setor recuou 12,1% em junho de 2020, a quarta taxa negativa. No acumulado do ano, o volume caiu 8,3% frente a igual período de 2019. O acumulado nos últimos doze meses (-3,3%) teve o resultado negativo mais intenso desde novembro de 2017 (-3,4%). De acordo com a pesquisa do IBGE, todas as atividades mostraram queda em junho. O maior destaque negativo ficou com o sub-setor “serviços prestados às famílias”, com queda de 57,5%. Esse sub-setor envolve, entre outras atividades, restaurantes e hotéis.

Em maio
17/07/2020 — Após tombo recorde em abril, o volume de serviços prestados no Brasil registrou queda de 0,9% em maio, na comparação com o mês anterior, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. É a quarta queda mensal consecutiva do setor, que passa a acumular uma perda de 19,7% em meio à crise do coronavírus, embora os efeitos da pandemia só tenham sido evidenciados a partir do final de março, pesando sobre uma atividade que já vinha mostrando dificuldades em engrenar recuperação. Na comparação com maio do ano passado, a queda marcou 19,5%, a terceira taxa negativa consecutiva e o maior tombo desde o início da série histórica, em janeiro de 2012. No acumulado no ano, as quedas registram 7,6% e, nos últimos doze meses, as perdas são de 2,7%.

Em abril
18/06/2020 — Em abril de 2020, o volume de serviços no Brasil caiu 11,7% frente a março, na série com ajuste sazonal. Este é o resultado negativo mais intenso desde o início da série histórica  em janeiro de 2011. Trata-se da terceira taxa negativa seguida, com acúmulo de perda de 18,7% neste período. A queda em abril é consequência, em grande parte, das medidas de isolamento social por causa da Covid-19. No acumulado do ano, o volume de serviços caiu 4,5% frente a igual período do ano anterior. No acumulado nos últimos doze meses, ao recuar 0,6% em abril de 2020, mostrou perda de ritmo frente a janeiro (1,0%), fevereiro (0,7%) e março (0,7%). Houve retração em todas as atividades pesquisadas pelo IBGE. O maior impacto negativo aconteceu nos serviços de hotelaria (-46,5%).

Março
13/05/2020 — Em março de 2020, o volume de serviços no Brasil caiu 6,9% em março, frente a fevereiro, na série com ajuste sazonal. Este é o resultado negativo mais intenso desde o início da série histórica, iniciada em janeiro de 2011. Os impactos observados foram sentidos especialmente no último terço do mês três, quando começaram as medidas de isolamento social devido ao Covid-19. Em fevereiro, o índice havia recuado 1,0% frente a janeiro. A retração observada em março atingiu todas as cinco atividades investigadas. Os destaques negativos mais intensos vão para os setores do ramo hoteleiro (-33,7%), dos serviços prestados às famílias (-31,2%) e dos serviços de transporte aéreo (-27,5%). Os dados são da pesquisa mensal dos serviços, publicada pelo IBGE. No acumulado de doze meses, o volume de serviços no Brasil está positivo em 0,7%.

Fevereiro
13/04/2020 — Em fevereiro de 2020, o volume de serviços no Brasil caiu 1,0% frente a janeiro, na série com ajuste sazonal. Esse foi o resultado negativo mais intenso desde julho de 2018 (-3,1%). Na série sem ajuste sazonal, no confronto com fevereiro de 2019, o volume de serviços avançou 0,7%. No acumulado no ano, houve alta de 1,2% frente a igual período do ano anterior. O acumulado nos últimos doze meses avançou 0,7% em fevereiro de 2020 e mostrou perda de ritmo frente a janeiro (1,0%). Houve retração em três das cinco atividades investigadas pelo IBGE: “serviços profissionais, administrativos e complementares(-0,9%), “serviços de informação e comunicação(-0,5%) e “serviços prestados às famílias(-0,1%). Por outro lado, os “serviços de transportes” e os “outros serviços” cresceram 0,4% e 0,2%, respectivamente.