Indústria Outubro 2018
2018 outubro

06/12/2018 — Em outubro de 2018, a produção industrial nacional subiu 0,2% frente a setembro, primeira taxa positiva após três meses de quedas que acumularam redução de 2,7% na atividade. No confronto com outubro de 2017, a indústria cresceu 1,1%, após queda de 2,2% em setembro. Os índices acumulados do ano (1,8%) e nos últimos doze meses (2,3%) continuam positivos, mas o setor mostrou perda de ritmo frente aos meses anteriores. Os dados são da pesquisa mensal do IBGE. Entre as grandes categorias econômicas, a de bens de consumo duráveis (4,4%) mostrou o maior avanço em outubro de 2018, influenciada, em grande parte, pela maior produção de automóveis. Por outro lado, entre os 26 ramos industriais pesquisados, o crescimento mais relevante veio do setor de “máquinas e equipamentos”, com 8,8%, e do setor de “bebidas”, 8,6%.  O setor de “couros e calçados” cresceu 5,3% e o automóveis, 3,0%.

Emprego Na Indústria
Em outubro, em todo o Brasil, o setor da indústria criou, no mês de outubro, 7.048 novas vagas formais de trabalho. Segundo o Cadastro Geral de empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho, o saldo é decorrente das 205.200 contratações menos as 198.152 demissões registradas naquele mês. Em relação a outubro de 2017, quando foram criados 33.200 novos postos de trabalho, registra-se queda de 78,8%. No acumulado de 2018, o saldo positivo da indústria é de 139.741 vagas. No mesmo período de 2017 foram 109.537. A diferença de 30.204 vagas representa crescimento de 27,6% de um período para o outro. Dos ramos pesquisados pelo Caged, o que mais criou emprego nos primeiros dez meses de 2018 foi a indústria de alimentos, com 46.233 novas vagas, representando 33,1% do total.

Desempenho em Setembro
02/11/2018 — Em setembro de 2018, a produção industrial nacional recuou 1,8% frente a agosto, terceira taxa negativa seguida, acumulando, nesse período, redução de 2,7%. No confronto com setembro de 2017, a indústria caiu 2,0%, primeiro resultado negativo nesta comparação, após três altas consecutivas. Os índices acumulados do ano (1,9%) e nos últimos doze meses (2,7%) continuam positivos, mas o setor mostrou perda de ritmo frente aos meses anteriores. O recuou mostrou taxas negativas nas quatro grandes categorias econômicas e em 16 dos 26 ramos pesquisados. Entre as atividades, as influências negativas mais relevantes foram em “veículos automotores, reboques e carrocerias” (-5,1%), “máquinas e equipamentos” (-10,3%) e “bebidas” (-9,6%). Dos nove ramos que aumentaram a produção em setembro, o destaque vai para o setor da “metalurgia”, com crescimento de 5,4%. O setor de “couro, calçados e vestuário” apresentou queda de 4,3%.

Desempenho Em Agosto
05/10/2018 — Em agosto de 2018, a produção industrial nacional variou -0,3% frente a julho (série com ajuste sazonal), segunda taxa negativa seguida, acumulando nesse período redução de 0,4%. Esse comportamento de queda, segundo o IBGE, ocorreu após a atividade industrial recuar 10,9% em maio e crescer 12,7% em junho. No confronto com agosto de 2017 (série sem ajuste sazonal), a indústria cresceu 2,0%, terceiro resultado positivo consecutivo, mas o menos intenso da sequência. Entre os setores, a principal influência negativa foi registrada pelo “coque”, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, com recuo de 5,7%. Entre os setores que ampliaram a produção, o destaque com a indústria química e farmacêutica, com crescimento de 8,3%. No mês passado, o IBGE identificou uma queda acentuada na produção das indústrias de calçados.

Indústria Mês a Mês
maquinas1   JANEIRO - 2,4%
  FEVEREIRO + 0,2%
  MARÇO - 0,1%
  ABRIL + 0,8%
  MAIO - 10,9%
  JUNHO + 13,1%
  JULHO   - 0,2%
  AGOSTO   - 0,3%
  SETEMBRO   - 1,8%
  OUTUBRO   + 0,2%

 

 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados