Calçados Valor 2018
exportacoes novembro18

09/12/2018 — Em novembro de 2018, conforme dados elaborados pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados, foram embarcados 10,54 milhões de pares para o exterior. Esse desempenho das empresas calçadistas gerou US$ 84,78 milhões. Os números indicam altas de 6,6% em volume e de 1,6% em receita, no comparativo com igual mês de 2017. Interrompeu-se, assim, uma tendência de queda nas exportações, que vinha desde maio. Essa pequena recuperação, porém, não foi suficiente para superar o tombo no acumulado dos onze meses do ano, que registrou quedas de 8,6% em pares e de 9,8% em receita no comparativo com mesmo período do ano passado, somando 100,38 milhões de pares e um retorno financeiro de US$ 878,5 milhões. Em 2017, no mesmo período, os números apontavam 109,86 milhões de pares e US$ 973,58 milhões.

Segundo a Abicalçados, entre os principais destinos, os países sul-americanos, com exceção da Argentina, foram fundamentais para o índice positivo de novembro. No mês passado, os argentinos, que representam o segundo mercado internacional para o calçado brasileiro, compraram 586,88 mil pares pelos quais foram pagos US$ 8 milhões, quedas de 17,2% em volume e de 20,3% em receita no comparativo com o mesmo mês de 2017. No acumulado dos onze meses, os Estados Unidos seguiram respondendo como o principal mercado internacional do calçado brasileiro. Para lá, foram embarcados 8,6 milhões de pares, movimento que gerou US$ 141,73 milhões, quedas de 13% em volume e de 16,7% em receita no comparativo com o mesmo intervalo de 2017. O segundo no ranking seguiu sendo a Argentina, com 11,38 milhões de pares e US$ 134,13 milhões em receita. O terceiro destino foi a França, com 6,4 milhões de pares e US$ 50,46 milhões em receita.

O principal exportador brasileiro nos onze meses de 2018 foi o Estado do Rio Grande do Sul, de onde foram embarcados 24,8 milhões de pares que geraram US$ 389,4 milhões, quedas tanto em volume (-2,3%) como em receita (-4,3%) em relação ao mesmo período  de 2017. A segunda origem foi o Estado do Ceará. No período, os calçadistas cearenses exportaram 35,55 milhões de pares por US$ 215 milhões, quedas tanto em pares (-13,2%) como em valores (-12,4%) no comparativo com período correspondente do ano passado. O terceiro exportador em 2018 é o Estado de São Paulo, de onde partiram 6,5 milhões de pares que geraram US$ 96,5 milhões, quedas de 6% e de 9,2%, respectivamente, em comparação com os onze meses de 2017. A cidade de Franca, pólo masculino, de janeiro a novembro de 2018, exportou o equivalente a US$ 63,8 milhões, segundo os dados do Ministério da Indústria e Comércio Exterior.

Desempenho em 2017
13/01/2018 — A indústria brasileira de calçados fechou o ano de 2017 com um crescimento de 9,3%  no comparativo com 2016. De janeiro a dezembro, foram embarcados 127,13 milhões de pares, gerando uma receita de 1,1 bilhão de dólares, o melhor resultado desde 2013. Já o desempenho físico ficou apenas 1,2% acima do registrado em 2016, o que demonstra encarecimento do produto brasileiro, especialmente, por causa da desvalorização do dólar, registrada ao longo do ano passado. Mais uma vez, o principal destino do calçado brasileiro foi os Estados Unidos, para onde foram embarcados 11,3 milhões de pares, no valor de 190 milhões de dólares.

O Rio Grande do Sul continuou como o principal estado exportador, responsável por vendas de 451,8 milhões de dólares. Com um total de 289 milhões de dólares, o Ceará ficou em segundo lugar do ranking, em termos de valor, e o primeiro em volume, com 50 milhões de pares. Fechando o pódio dos exportadores de calçados, São Paulo embarcou 7,4 milhões por US$ 113,7 milhões, queda de 18% em volume e incremento de 5,5% em valores em relação ao ano anterior. De acordo com os dados oficiais do Ministério do Trabalho, existem no Brasil 15.891 indústrias de calçados. Elas empregam mais de 280 mil trabalhadores. No Estado de São Paulo são 4.769 empresas, com 40.802 empregados. A cidade de Franca tem 2.986 empresas, com 17.575 empregados.


 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados