macunaima1Macunaíma & Mário De Andrade

01/01/2016 — A Editora Ateliê está mandando para as livrarias uma edição “quase artesanal” da obra “Macunaíma”, do escritor Mário de Andrade. Entre as páginas do romance, encontram-se, como espécies de pop-ups, ilustrações do desenhista Gustavo Piqueira. Essas ilustrações podem ser desdobradas para dialogar com o texto. A edição é limitada: apenas trezentos exemplares numerados. O desenhista ainda assina um posfácio, no qual revê a produção gráfica em torno do personagem. O volume é encerrado com um breve texto do professor José de Paula Ramos, doutor em Literatura Brasileira da USP. Ele fala sobre a origem e a sobrevida do clássico. “Macunaíma”, originalmente, foi lançado em 1928. Em 1969 foi adaptado para o cinema, com o Grande Otelo como protagonista.

grande-otelo macunaima1MACUNAÍMA — A personagem-título, um herói sem nenhum caráter (anti-herói), é um índio que representa o povo brasileiro, mostrando a atração pela cidade grande de São Paulo e pela máquina. A frase característica da personagem é “Ai, que preguiça!”A parte inicial da obra assim o caracteriza: “No fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma, herói de nossa gente. Era preto retinto e filho do medo da noite”. Escrita com verve cômica, o livro é considerado um indianismo moderno. Critica o Romantismo, utiliza os mitos indígenas, as lendas, provérbios do povo brasileiro e registra alguns aspectos do folclore do país até então pouco conhecidos. Possui estrutura inovadora. Não segue ordem cronológica e espacial. É uma obra surrealista, na qual se encontram aspectos ilógicos, fantasiosos e lendas.

mariodeandrade in1Na obra, Mário de Andrade tenta escrever um romance que represente o multi-culturalismo brasileiro. Valoriza as raízes brasileiras e a linguagem dos brasileiros, buscando aproximar a língua escrita ao modo de falar paulistano. O autor tinha uma ideia de uma “gramatiquinha” brasileira que desvincularia o português do Brasil do falado em Portugal. Ao longo do texto são comuns as substituições de “se” por “si”, “cuspe” por “guste”, dentre outras. No episódio “Carta pras Icamiabas”, o escritor satiriza ainda mais o modo como a gramática manda escrever e como as pessoas efetivamente se comunicam. Aproveitando-se do artifício de uma carta escrita, Macunaíma escreve conforme a grafia arcaica de Portugal, explicitando a diferença das regras normativas arcaicas e da língua falada.

Perfil Da Personagem
Macunaíma
nasceu numa tribo amazônica. Lá passa a infância, mas não é uma criança igual às outras do lugar. É um menino mentiroso, traidor, pratica muitos atos incorretos, fala muitos palavrões, além de ser extremamente preguiçoso. Tem dois irmãos, Maanape e Jiguê. Vai vivendo assim a meninice. Cresce e se apaixona pela índia CI, A Mãe do Mato, seu único amor, que lhe deu um filho, um menino morto. Depois da morte da mulher, Macunaíma perde um amuleto que um dia ela havia lhe dado de presente. Era a pedra “muiraquitã”. Fica desesperado com essa perda, até que descobre que a pedra havia levada por um mascate peruano, que morava em São Paulo. Assim, junto com os irmãos, resolve ir atrás para recuperar o amuleto. Recuperada a pedra, ele volta para a sua tribo. Clique na imagem para acessar a biografia do Mário de Andrade.


 

 


© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados