lygia fagundes tellesContos da Lygia

07/12/2018 — A Lygia Fagundes Telles é considerada pela crítica uma das maiores escritoras brasileiras. Ela é, sobretudo, uma contista de mão cheia. Agora, pela primeira vez, os leitores terão acesso à mais completa antologia de contos da autora, numa edição especial com as principais coletâneas e diversos escritos esparsos, há tempos fora de catálogo. Dos primeiros contos, concebidos na juventude, até a produção mais madura, a autora paulistana exibe maestria na narrativa curta, com sensibilidade e sutileza, em textos impecáveis. A edição especial em capa dura do “Os Contos”, com 752 páginas, foi lançada pela editora Companhia das Letras, com preço sugerido de R$ 99,90. A obra tem os textos organizados em ordem cronológica e, ainda, um posfácio da ensaísta e crítica Walnice Nogueira Galvão.

lygia-fagundes-telles ft2Lygia de Azevedo Fagundes Telles
Nasceu no dia 19 de abril de 1923, na cidade de São Paulo. Devido à profissão do pai (delegado de polícia e, depois, promotor de justiça) morou nas cidades de Sertãozinho, Apiaí, Descalvado e Itatinga. Publicou o primeiro livro de contos — “Porão e Sobrado” — em 1938. Depois de obter a graduação em educação física, passou a participar de debates literários, durante os quais conheceu os autores Mário e Oswald de Andrade. O primeiro romance — “Ciranda de Pedra” — saiu em 1954. Escreveria mais outros três: “Verão No Aquário” (1954), “As Meninas” (1973), pelo qual ganharia o Prêmio Jabuti, e “As Horas Nuas” (1989). Além desses romances, foram, até 2012, vinte um livros de contos, e sete antologias. Em 2000, voltou a ser laureada com o Prêmio Jabuti, pelo conto “Invenção e Memória”. O romance “As Meninas” foi adaptado para o cinema em 1995.

lygia-fagundes-telles ft3Fórmula Perfeita
26/04/2000 — A Editora Rocco fez chegar às livrarias brasileiras o livro de contos “Invenção e Memória”, da escritora Lygia Fagundes Telles. O livro reúne quinze histórias. Em umas poucas, o narrador é anônimo. Esse é o caso do “O Menino e o Velho”. A trama, a partir de algumas observações sobre o cotidiano, consegue sugerir um mundo de perversão e crueldade. Na maioria dos contos, a própria autora aparece como personagem. O melhor deles, de acordo com os críticos, é o “Nada de Novo Na Frente Ocidental”, que encerra o volume. Ele começa com uma história engraçada sobre a Segunda Guerra Mundial, quando a escritora se alistou numa certa Legião Universitária Feminina da Defesa Passiva Antiaérea. Ela termina a narrativa com leveza. Mete-se sutilmente no enredo, sem que o leitor perceba.

Coletânea De Não-Ficção
05/06/2002 — Com 203 páginas, está chegando às livrarias o livro “Durante Aquele Estranho Chá — Perdidos e Achados”, da escritora Lygia Fagundes Telles. Trata-se da primeira coletânea de textos não-ficcionais da autora. São ensaios, palestras, depoimentos e fragmentos de memórias. Registra histórias de outros grandes escritores como o Mário de Andrade, a Clarice Lispector e o Carlos Drummond de Andrade. Seu discurso de posse na Academia Brasileira de Letras, uma peça de oratória divertida e pouco convencional, faz parte da antologia. Tem, ainda, um relato interessante de uma viagem ao Irã. De acordo com a crítica, “os textos têm a limpidez e a graça, que sempre marcaram o estilo da autora”.

lygia-fagundes-telles ft4A Arte De Relembrar
12/09/2007 — Um dos grandes nomes da literatura brasileira, a octogenária Lygia Fagundes Telles extrai da memória a matéria-prima da obra “Conspirações de Nuvens”, que está sendo lançada pela Editora Rocco. Tem 136 páginas. No livro, a autora lança um olhar tão nostálgico quanto agudo sobre situações que viveu em vários períodos da sua vida. Entremeia, nos contos e crônicas do livro, lembranças da infância, com observações sobre a violência dos dias de hoje. Fala, ainda, de lugares e personagens que a marcaram. Entre esses, a cidade de Túnis, a capital da Tunísia, e o crítico de cinema e ex-marido Paulo Emílio Salles Gomes, morto em 1977.


 

 



© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados