Mário Quintana
mario quintana3mario quintana2mario quintana1

MÁRIO DE MIRANDA QUINTANA nasceu no dia 30 de julho de 1906, na cidade de Alegrete, Estado do Rio Grande do Sul. Morreu no dia 5 de maio de 1994, na cidade de Porto Alegre. Fez os primeiros estudos na cidade natal. Em 1919, mudou-se para Porto Alegre, onde estudou no Colégio Militar. Publicou na capital gaúcha as  primeiras produções literárias. Trabalhou para a Editora Globo e, depois, na farmácia paterna. Considerado o "poeta das coisas simples", com um estilo marcado pela ironia, pela profundidade e pela perfeição técnica, trabalhou como jornalista quase toda a vida. Traduziu cerca de 130 obras da literatura universal, entre elas a “Em Busca do Tempo Perdido”, do Marcel Proust, a “Mrs Dalloway”, da Virginia Woolf, e a “Palavras e Sangue”, do Giovanni Papini.

Em 1953, trabalhou no jornal Correio do Povo, como colunista da página de cultura. Em 1940, lançou o primeiro livro de poesias, “A Rua dos Cataventos”, iniciando a carreira de poeta, escritor e autor infantil. Em 1966, foi publicada a “Antologia Poética”, com 60 poemas, organizada pelo Rubem Braga e pelo Paulo Mendes Campos. O livro foi lançado para comemorar os 60 anos do poeta. No mesmo ano,  ganhou o Prêmio Fernando Chinaglia, oferecido ao melhor livro do ano pela  União Brasileira de Escritores. Em 1976, ao completar 70 anos, recebeu a medalha “Negrinho do Pastoreio” do governo do estado do Rio Grande do Sul. Em 1980, recebeu o prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras, pelo conjunto da obra. O prêmio Jabuti de “personalidade do ano” veio em 1981. Jamais se casou. Viveu, na maior parte do tempo, em hotéis.

mario quintana4Bilhete
Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim!

Se me queres, enfim,
Tem de ser bem devagarinho, Amada,
Que a vida é breve
E o amor mais breve ainda...


 

 

 


© 2017 Tio Oda - Todos os direitos reservados